Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia

Quebra de 56,2% na venda de automóveis em Portugal é a maior da Europa

ACAP defende estímulos governamentais o mais depressa possível para relançar sector no nosso país.
Aquela Máquina 16 de Julho de 2020 às 19:09

É uma verdadeira tragédia que se abateu sobre o mercado automóvel português, reforçada pela pandemia do coronavírus. As vendas de automóveis ligeiros de passageiros registaram, em Junho, uma queda de 56,2%, avança a ACAP – Associação Automóvel de Portugal .

É a maior queda percentual em toda a Europa, não só entre os países da União Europeia mas também entre as nações da EFTA – Associação Europeia de Comércio Livre, e o Reino Unido.

Recorde-se que, já em Maio, o mercado nacional tinha registado a segunda maior queda percentual comparativamente aos mesmos países.

No mês em referência, o mercado de veículos ligeiros de passageiros, na União Europeia, caiu 22,3% face ao mês homólogo, e no semestre, o mercado teve um decréscimo de 38,1%.

Face a estes valores, a ACAP continua a insistir, junto do Governo, a tomada de medidas para o relançamento do sector no nosso país.

A instituição toma, como exemplo, o caso de França, que, mercê do lançamento de um plano de apoio do governo, a 1 de junho, registou um ligeiro crescimento de 1,2% em Junho na venda de viaturas ligeiras de passageiros novas.

"Se estas medidas não forem rapidamente implementadas, iremos ter graves consequências ao nível do tecido empresarial do sector automóvel", afirma a ACAP em comunicado.

Em Portugal, o sector automóvel representa 19% do PIB, 25% do total das exportações de bens transaccionáveis, 3,5% do emprego e 21% das receitas fiscais, de acordo com os dados avançados pela associação automóvel.

Ver comentários