Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
6

O fiscalista incómodo que gostava de ter sido guarda-freio da Carris

Recorde a última grande entrevista de Medina Carreira à Sábado.
3 de Julho de 2017 às 21:36
Henrique de Medina Carreira
Medina Carreira
Medina Carreira
Medina Carreira
Medina Carreira
Henrique de Medina Carreira
Medina Carreira
Medina Carreira
Medina Carreira
Medina Carreira
Henrique de Medina Carreira
Medina Carreira
Medina Carreira
Medina Carreira
Medina Carreira
Quando precisa de dinheiro, Medina Carreira vai ao banco: passa os fins-de-semana a fazer números, mas ainda não se habituou às máquinas multibanco - prefere andar com dinheiro na carteira. No seu novo livro, lançado esta semana, explica como o País chegou à situação em que está. Quando era ministro das Finanças - saiu com a primeira vinda do FMI -, passava quase todos os dias pelo Banco de Portugal, para ver a folha de caixa. "Aquilo era um horror", conta. É pontual, mas também se distrai: "Tenho nove pares de óculos, porque todos os dias perco dois." E passa a maior parte do tempo em casa. Há quem o conheça como pessimista, mas Medina Carreira chora facilmente. Só não tanto como o amigo Jorge Sampaio.

Nasceu em Bissau, na Guiné, em 1931. Como é que os seus pais foram viver para lá?
Os meus pais nasceram em Cabo Verde e só depois se mudaram. O meu pai foi parar à Guiné porque a mãe dele teve uma segunda gravidez e um dia ia a andar a pé numa ruela - vinha uma criança com um pau na mão e bateram um no outro - teve uma hemorragia e morreu. E o pai, que era da marinha mercante, desapareceu no mar. Aos 7 anos, o meu pai era órfão de mãe e de pai. Os meus avós já tinham emigrado para Cabo Verde.

Quem é que tomou conta do seu pai?
Foi mandado para Portugal para casa de uns tios muito pobres: o tio João, que trabalhava num talho na Praça da Figueira. Tinham três filhos, não conseguiram aguentá-lo, e aos 14 anos foi para a Guiné. Foi funcionário dos Correios - sabia morse - e fez carreira na administração colonial. Eu acabei por nascer lá.

Clique para continuar a ler a entrevista
Ver comentários