Barra Cofina

Correio da Manhã

Exclusivos
5

Roubam Bentley de 150 mil euros por computador

Grupo leva carro de luxo de parque subterrâneo e depois vende-o legalmente.
João Carlos Rodrigues 24 de Fevereiro de 2018 às 01:30
Grupo de assaltantes atacou pela hora de almoço do dia 18 de janeiro
Grupo de assaltantes atacou pela hora de almoço do dia 18 de janeiro
Grupo de assaltantes atacou pela hora de almoço do dia 18 de janeiro
Grupo de assaltantes atacou pela hora de almoço do dia 18 de janeiro
Grupo de assaltantes atacou pela hora de almoço do dia 18 de janeiro
Grupo de assaltantes atacou pela hora de almoço do dia 18 de janeiro
Grupo de assaltantes atacou pela hora de almoço do dia 18 de janeiro
Grupo de assaltantes atacou pela hora de almoço do dia 18 de janeiro
Grupo de assaltantes atacou pela hora de almoço do dia 18 de janeiro
Grupo de assaltantes atacou pela hora de almoço do dia 18 de janeiro
Grupo de assaltantes atacou pela hora de almoço do dia 18 de janeiro
Grupo de assaltantes atacou pela hora de almoço do dia 18 de janeiro
Sem violência e com recurso a meios tecnologicamente avançados, um grupo organizado conseguiu apropriar-se de um Bentley Continental GT que estava estacionado num parque público no centro de Lisboa. Mas o que seria um simples furto de um carro avaliado em 150 mil euros poderá esconder um esquema de assaltos por encomenda que envolverá funcionários da marca. A forma como os assaltantes se desfizeram depois do Bentley também levanta suspeitas.

Conseguiram vendê-lo a um dos stands mais conceituados em Portugal com toda a documentação legalizada, como se fossem os legítimos proprietários da viatura. De acordo com as queixas apresentadas às autoridades, o automóvel foi levado do parque subterrâneo da praça da Figueira no dia 18 de janeiro.

Com recurso a um computador, o grupo abriu a viatura e colocou-a em andamento. A proprietária só deu pela falta do veículo três semanas depois, a 8 de fevereiro. Nesse dia, o registo de propriedade já tinha mudado duas vezes de titular.

Primeiro foi registado em nome de uma mulher que vive na mesma rua da vítima – na Alta de Lisboa – e depois em nome de um stand da capital especializado no segmento de luxo.

O caso envolverá ainda funcionários de uma empresa de reboques e da própria Bentley, pela denúncia a que o CM teve acesso. Contactadas ontem pelo CM, nem a mulher que registou o carro em seu nome nem a Bentley quiseram prestar esclarecimentos.

Stand faz queixa por ameaças   
A vítima que ficou sem o Bentley apresentou queixa contra a mulher que registou o carro em seu nome e contra o stand que depois o adquiriu. Mas os responsáveis desta empresa esclareceram ontem o CM que adquiriram o veículo "de boa-fé e com toda a documentação regularizada".

"O que temos a dizer sobre esta situação é que vamos apresentar queixa por denúncia caluniosa e por ameaças. Temos sido ameaçados por um irmão da alegada vítima, que por sinal vive na mesma rua da senhora que detinha o registo do carro a seu favor", garantiu ontem uma responsável pelo stand.

Segundo o CM apurou, o negócio foi feito por um jovem que é ao mesmo tempo familiar das duas mulheres em causa.

A ‘bomba’ que apaixona futebolistas   
O Bentley Continental GT foi lançado em 2003 e rapidamente se tornou num alvo para ricos e famosos de todo o Mundo. Ricardo Quaresma e José Mourinho, bem como o ator Idris Elba, a socialite Paris Hilton ou a estrela da NBA LeBron James, compraram um.

CR7 adquiriu este modelo, mas na versão GTC (descapotável mais potente). Segundo o site Aquela Máquina, custa 237 mil € e chega a 303 km/h.

PORMENORES 
Documentos suspeitos
O Documento Único Automóvel (vulgarmente conhecido por livrete) referente ao Bentley em causa foi emitido a 11 de janeiro deste ano, uma semana antes do furto milionário.

Reparação apressada
A mulher que registou o carro furtado em seu nome levou-o para ser reparado nas instalações da Bentley, em Lisboa, minutos depois do furto, mas levantou-o na mesma tarde, pagando 1240 € em numerário.
Ver comentários
}