Barra Cofina

Correio da Manhã

Famosos
1

Morreu o dramaturgo norte-americano Larry Kramer, pioneiro da luta anti-VIH/sida

Ativista morreu de pneumonia aos 84 anos.
Lusa 27 de Maio de 2020 às 22:42
Vidas
Larry Kramer
Larry Kramer FOTO: Getty
O dramaturgo norte-americano Larry Kramer autor de "Um Coração Normal", pioneiro no apoio a vítimas da sida e no alerta sobre o vírus, morreu hoje, em Nova Iorque, aos 84 anos, noticiou o jornal The New York Times.

Kramer morreu de pneumonia, não relacionada com a covid-19, disse o seu marido, o arquiteto David Webster, ao jornal nova-iorquino. O dramaturgo era portador de VIH, há mais de três décadas, e padecia de várias doenças associadas.

Larry Kramer foi um dos fundadores da organização Gay Men's Health Crisis, em 1981, a primeira de apoio a vítimas da sida, da qual viria a afastar-se, em 1987, ao considerá-la "uma triste organização de cobardes", depois de ter sido acusado de ter um discurso demasiado agressivo para com as autoridades de saúde.

O dramaturgo dinamizou então a Act Up, que levou os protestos para as ruas, em ações que chegaram a afetar o funcionamento de departamentos governamentais, exigindo investigação e desenvolvimento de medicamentos para a sida, o termo da discriminação de homossexuais e das vítimas do vírus.

No início da década de 1980, Kramer foi um dos primeiros ativistas a afastar a ideia dominante de que uma "estranha forma de cancro" estava a atingir homens homossexuais, alertando para a inevitabilidade de se tratar de uma doença sexualmente transmissível, que punha todos os em risco.

O epidemologista Anthony Fauci, atual diretor do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, foi um dos primeiros visados pelo escritor, que o considerou um "idiota incompetente", num artigo publicado no San Francisco Examiner, em 1988. Mais tarde, foi o próprio combate à doença que os uniu em amizade.

Em declarações ao The New York Times, Fauci disse que o ativista o ajudou a ver que burocracia federal norte-americana estava a atrasar a investigação sobre a sida, reconhecendo em Larry Kramer "um papel essencial" no desenvolvimento de tratamentos que vieram prolongar a vida dos portadores de VIH.

Larry Kramer nasceu em junho de 1935 em Bridgeport, no Connecticut, licenciou-se em Literatura, em Yale, e era sobretudo um dramaturgo e argumentista, com um percurso reconhecido no teatro e no cinema.

Adaptou o romance "Mulheres Apaixonadas", de D.H. Lawrence para o filme homónimo de Ken Russel, em 1969, o que lhe deu uma nomeação para o Óscar, e "Horizonte Perdido" (1973), um 'remake' da longa-metragem de Frank Capra.

"Um Coração Normal" (1985), a sua obra mais conhecida, foi premiada com um Tony, na Broadway, e com um Emmy e um Globo de Ouro, quando chegou à HBO, num filme de Ryan Murphy, com o ator Mark Ruffalo. De caráter autobiográfico, teria continuidade em "The Destiny of Me", de 1992.

A obra de Larry Kramer, com perto de duas dezenas de títulos, é marcada pelo combate à discriminação, desde os primeiros livros, como "A Minor Dark Age" (1973) e "Faggots" (1978), aos derradeiros, como "The American People - Search for My Heart" (2015) e "The American People: The Brutality of Fact", publicado no início deste ano.

Em "Just Say No, a Play about a Farce" (1988), expôs o que considerava a leviandade da política de Ronald Reagan para a saúde.

Entre outros prémios, Larry Kramer recebeu o PEN de drama e o de Literatura da Academia de Artes e Letras dos Estados Unidos.

"Um Coração Normal" está na lista das cem melhores peças de teatro do século XX do Royal National Theatre of Great Britain.

Larry Kramer VIH saúde doenças sida artes cultura e entretenimento
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)