Barra Cofina

Correio da Manhã

Famosos
7

Pierre Cardin: O adeus a um visionário da moda

Criador de moda morreu aos 98 anos em Paris, onde construiu uma carreira de sonho e se tornou no designer preferido das estrelas de cinema e até de Salvador Dalí.
Rute Lourenço 30 de Dezembro de 2020 às 01:30
Pierre Cardin
Kenzo morreu aos 81 anos
Sergio Rossi criou sapatos de luxo
O icónico Karl Lagerfeld
Pierre Cardin
Kenzo morreu aos 81 anos
Sergio Rossi criou sapatos de luxo
O icónico Karl Lagerfeld
Pierre Cardin
Kenzo morreu aos 81 anos
Sergio Rossi criou sapatos de luxo
O icónico Karl Lagerfeld
Aos 22 anos, uma vidente deitou-lhe as cartas e disse que iria ser um homem muito rico e famoso. Pierre Cardin – o sétimo filho de uma família de comerciantes de vinho, que perdeu tudo na I Guerra Mundial e tinha sido obrigada a deixar Itália para regressar a França – disse-lhe que só podia estar louca. Na altura, vivia humildemente e estava longe de atingir o estrelato na área que viria a ser não só a sua grande paixão como uma fonte de riqueza. Os indícios de que a taróloga poderia estar certa chegaram alguns anos depois, quando se tornou no discípulo preferido de Christian Dior, que dizia que Cardin costurava como ninguém. Foi o início de uma carreira brilhante. Em 1950, estreou-se em nome próprio e abanou a alta-costura, com um estilo futurista, inspirado na pop art com peças em materiais arriscados que chamaram a atenção do pintor Salvador Dalí, e de estrelas de cinema como Rita Hayworth ou Jeanne Moreau, que se viria a tornar a sua grande musa.

De lá para cá, fez quase tudo. Foi o primeiro designer a criar uma coleção masculina e levou os homens para a passerelle, numa época em que esta era exclusivamente pisada por mulheres. Empreendedor, quis democratizar a moda, dedicando-se muito mais ao pronto a vestir do que à alta-costura. “Porque é que havia de trabalhar só para gente rica? Também queria trabalhar para as pessoas comuns”, explicou, depois de ter ultrapassado as fronteiras da moda e criado um império, emprestando o seu nome a perfumes, hotéis, restaurantes, uma linha de mobiliário, e até chocolates ou águas.

Pierre Cardin deixou-nos, esta terça-feira, aos 98 anos, no Hospital de Neuilly-sur-Seine, em Paris. A causa da morte não foi divulgada.

Deixa império e fortuna de 500 milhões
Pierre Cardin construiu um verdadeiro império e uma fortuna avaliada em mais de 500 milhões de euros. Fiel ao seu estilo, construiu uma fortaleza em torno dos seus negócios e tornou-se no único empresário da moda a deter a totalidade da sua marca. Nos últimos anos apoiou-se naquele que era o seu homem de confiança: o sobrinho Rodrigo Basilicati, que agora poderá herdar parte do império, uma vez que o estilista não teve filhos. No entanto, viveu intensamente. “Eu era atraente. Tive muito sucesso com os homens e as mulheres”, disse.

Lendas das passerelles deixam legado

Os últimos tempos ficaram marcados pela partida de alguns ícones da moda. Em 2019, Karl Lagerfeld, designer da Chanel, e um dos estilistas mais influentes da sua geração, deixou-nos aos 85 anos. Já no decorrer deste ano, o novo coronavírus tirou a vida a dois criadores: o japonês Kenzo e o italiano Sergio Rossi.
Ver comentários