Barra Cofina

Correio da Manhã

Insólitos
4

Eclipse com ‘anel de fogo’ deste domingo "é sinal do apocalipse", diz teoria

Fenómeno será o mais profundo do século e coincide com o solstício de verão.
Correio da Manhã 19 de Junho de 2020 às 18:39
Fenómeno do 'Anel de Fogo', registado em 2013
Praga de gafanhotos tem afetado muitos locais em África
Praga de gafanhotos tem afetado muitos locais em África
Praga de gafanhotos tem afetado muitos locais em África
Fenómeno do 'Anel de Fogo', registado em 2013
Praga de gafanhotos tem afetado muitos locais em África
Praga de gafanhotos tem afetado muitos locais em África
Praga de gafanhotos tem afetado muitos locais em África
Fenómeno do 'Anel de Fogo', registado em 2013
Praga de gafanhotos tem afetado muitos locais em África
Praga de gafanhotos tem afetado muitos locais em África
Praga de gafanhotos tem afetado muitos locais em África

O dia 21 de junho de 2020 parece não agourar nada de bom, pelo menos é o que dizem várias teorias. Depois de uma teoria indicar que o fim do mundo seria a 21 de junho (porque um cálculo feito com o calendário maia coloca-nos, na realidade, em 2012) outros teóricos da conspiração já vieram realçar outro facto para garantirem que o ‘fim dos tempos’ terá lugar este domingo. Coincidentemente, o solstício de verão coincide com o primeiro eclipse solar do ano, que por sinal será o maior do século.

Muitos acreditam que esta coincidência é um dos sinais do apocalipse, até porque este eclipse será anular, o que ocorre quando a lua está muito longe da terra na sua órbita para bloquear o sol, criando um efeito descrito como "o anel de fogo". Como este ano tem lugar durante o solstício de verão, quando o sol está no seu ponto máximo de elevação, isto resultará num fenómeno notavelmente profundo.

A ‘profundidade’ do eclipse significa que a lua vai cobrir quase a totalidade do disco solar (98,8%, para sermos exatos), pelo que o fenómeno será diferente de outros eventos cósmicos anteriores, com apenas um estreito "anel de fogo" visível no céu durante cerca de 30 segundos. Apesar de, segundo as teorias da conspiração (e não só) ser um sinal da chegada do apocalipse, o eclipse só será visível em África, no continente asiático e no sudeste europeu.

O eclipse anular será especialmente visível no norte da Índia, onde terá um efeito particularmente especial. Segundo o astro-fotógrafo Ajay Tal, naquela região "em vez de se ver um anel de fogo, o sol parecerá um colar de contas brilhantes, devido à luz ser ‘filtrada’ pelas crateras e montanhas lunares".

Já o pastor Paul Begley tem uma visão menos positiva e assegura que este eclipse é mesmo um mau presságio e mais um dos sinais do ‘fim dos tempos’ descrito na Bíblia. No seu canal de YouTube Paul garante que "estamos a vivenciar as pragas do apocalipse", relacionando a atual pandemia do novo coronavírus com a praga de gafanhotos que tem afetado muitos países do leste de África e Médio Oriente.

Para além da praga de gafanhotos, descrita na Bíblia como um das Grandes Pragas do Egito que Deus enviou para que o Faraó libertasse os hebreus da escravidão, Deus também disse a Moisés que a escuridão iria cobrir o Egito durante três dias. O pastor Begley acredita que este será o primeiro de três sinais no céu: "O primeiro é a 21 de junho, o início do Armagedão, em que um eclipse solar com anel de fogo vai cobrir a Terra Santa. O segundo será o eclipse lunar penumbral, que coincidirá com o Dia da Independência dos EUA e se revelará numa Lua Vermelha", adianta o religioso.

Também outra teoria que está a ser amplamente divulgada nas redes sociais, assegura que o eclipse deste domingo é um sinal cósmico de que o Universo entrou na Era do Aquário, a seguinte era astrológica.

África Paul Begley Egito Deus questões sociais ciência e tecnologia
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)