Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
3

Direito de Resposta da Direção da Associação Portuguesa de Suplementos Alimentares

Referente à notícia: "Comprimidos para perder peso podem causar problemas de saúde".
17 de Janeiro de 2020 às 16:58

Direito de resposta ao abrigo do disposto no art.º 24º da Lei nº2/99 de 13 de janeiro relativamente à notícia veiculada pelo cmjornal "Comprimidos para perder peso podem causar problemas de saúde" do dia 31 de dezembro de 2019.

Foi publicada uma peça jornalística alusiva aos produtos para emagrecimento, a  qual  não  corresponde à verdade e que vem apenas criar alarmismos e desinformação junto dos consumidores.

Perante tais factos, a Associação Portuguesa de Suplementos Alimentares vem esclarecer o seguinte:

Preliminarmente, repudiamos a ausência de contraditório explicativo do enquadramento jurídico dos produtos para emagrecimento, que caso tenham enquadramento como suplementos alimentares devem obrigatoriamente respeitar a legislação alimentar existente.

Perante a desinformação assim lançada para a opinião pública, uma simples leitura  e pesquisa em  todo o quadro jurídico dos suplementos alimentares concluiria que estamos a falar de substâncias ilegais e que são proibidas na Europa, caso do (DNP), bem como produtos que são vendidos  via internet e provenientes de países terceiros sem qualquer controlo das autoridades competentes.

Em PT, o processo de fabrico segue hoje procedimentos padronizados baseados nas regras da UE e protocolos internacionalmente aceites de forma a garantir qualidade em toda a linha de produção. Só podem constar da composição dos suplementos alimentares as substâncias concretamente previstas  na lei, assim se garantindo a segurança dos mesmos.

Qualquer novo alimento está sujeito a prévia avaliação de segurança por parte da  Agência  Europeia  de Segurança Alimentar, através de processo  científico  próprio, cuja autorização, a ser reconhecida,  se estende a todos os países da UE. Todas as empresas seguem obrigatoriamente os critérios de rastreabilidade e segurança definidos na lei.

Finalmente, as regras de rotulagem visam transmitir ao consumidor informação técnica que o auxilie na sua escolha de consumo, não sendo permitidas indicações de  natureza  terapêutica  nem referências a doenças ou cura e tratamento destas. Permitem-se, porém, alegações de saúde, i.e, indicações sobre efeitos fisiológicos benéficos para a saúde humana, desde que tecnicamente comprovados e autorizados pela Agência Europeia competente.

Todas as empresas responsáveis pelos suplementos alimentares no mercado nacional devem obrigatoriamente efetuar a sua notificação junto da DGAV, a qual analisa a conformidade legal dos mesmos.

Para a Associação Portuguesa de Suplementos Alimentares a saúde e o  bem-estar  dos  consumidores são valores fundamentais. A credibilidade e responsabilidade, os seus melhorem instrumentos. E não poderia ser de outra forma. Desde 2003 que o setor da suplementação alimentar tem vindo a rececionar diversas Diretivas e inúmeros Regulamentos Europeus, cuja complexidade e exigências técnicas de segurança, fazem deste setor, ao contrário do que muitos afirmam, dos mais rigorosamente regulados.

Não podem, pois, aceitar-se certas notícias associando a toma de suplementos alimentares  a malefícios para a saúde de quem os consome, quando a toma destes mesmos  produtos  é  fundamental para suprir carências contribuindo para a saúde e bem-estar das populações em geral.

Em muitos casos, a utilização de suplementos alimentares pode evitar o abuso de medicamentos ou a sua escolha quando não estritamente necessária.

A Associação Portuguesa de Suplementos Alimentares encontra-se  disponível  para  esclarecer qualquer dúvida ou enquadramento jurídico relativo aos suplementos alimentares.

Direito de Resposta Direção da Associação Portuguesa de Suplementos Alimentares
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)