Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
7

A VIA EM QUATRO RODAS

Teresa Cupertino Miranda. Não há nada que lhe dê mais prazer do que deixar os homens ‘comerem poeira’ quando os ultrapassa com o seu Toyota Landcruiser. Aos 56 anos, esta mulher original publica em livro as suas aventuras. O Domingo Magazine mostra-lhe em primeira-mão.
9 de Novembro de 2003 às 00:00
Teresa Cupertino de Miran-da não é uma autora de livros mas edita agora um grande livro de autor e, com ele, conta-nos parte da sua vida a partir dos 40 anos. Teresa também não é uma fotógrafa e quando se fala com ela percebe-se isso de imediato. E é ela quem o afirma! Não se preocupa com os filmes ou com a câmara que utiliza. Não espera pela luz nem tão pouco anseia que não chova ou que o nevoeiro parta. Retrata a realidade com a franqueza comovente de quem estava no momento certo onde as coisas acontecem. Teresa não se ‘emociona’ muito com as paisagens mas ‘vinga-se’ na observância do ser humano integrado no seu ‘habitat’, enraizado no seus costumes e ‘arranca’ autênticas narrativas. São mesmo mais de mil palavras por cada imagem! Também por isso as suas introduções capitulares são curtas e omissas mas, para quê mais?
Numa abordagem mais superficial, poderíamos reparar que as suas fotografias nunca deixariam de ser belas porque a beleza e o exotismo dos locais não o permitiriam. Na verdade são muito mais do que isso. Estas imagens devem ser lidas e entendidas. Só assim podemos ouvir a estória que cada uma nos trás. Insistindo no olhar, reparo que a sua sensibilidade começa sistematicamente num pormenor que quase sempre dá o mote e depois se espalha por toda a imagem. Provavelmente será isto instinto, mas que belo instinto então e que testemunho tão válido. Com um espólio destes, apenas possível com o somar das expedições que tem vindo a realizar, Teresa junta, sem qualquer dúvida, uma multidão de registos de invejável riqueza.
Desde 1996 que, das expedições passou aos ‘raids’ e ao Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno conduzindo um Toyota Landcruiser. No fim-de-semana passado participou na Baja Portalegre onde se classificou em 30º lugar. É uma das poucas mulheres a correr em campeonatos nacionais de qualquer categoria ou classe e com 56 anos, embora não tenha pretensão de vencer uma prova, não deixa de ser aguerrida e uma lutadora ímpar. Sem ser feminista, diverte-se muito mais em deixar os seus companheiros, adversários e amigos, homens, para trás na prova, do que em lutar pelo 1º lugar. Nestas situações diz ter carro para isso mas não a coragem para arriscar. E, conscientemente, conclui que muitos há que são melhores do ela, mas duvida que se divirtam tanto!
Teresa Cupertino de Miranda explorou mais de 80 países dos quais apenas 19 estão incluídos no seu livro. Viveu oito anos no Brasil e regressou a Portugal determinada a realizar o seu sonho de percorrer mundo. Em 1991 participou na expedição ‘Guiné-Bissau-Lisboa’ e fez o ‘Paris-Cape Town’. Seguiram-se o ‘Paris-
-Pequim’ e mais uma mão bem cheia de outras grandes viagens, expedições e ‘raids’. No ‘Lisboa-Índia’ percorreu 22.000Km. Desde pequena que é apaixonada por automóveis e adoraria ter feito o serviço militar. Na competição tem uma grande companheira, por vezes adversária, a sua filha Madalena, que também ‘assina’ quatro fotos do livro.
Com a conquista da Taça do Mundo de Todo-o-Terreno por Carlos Sousa, o lançamento deste livro não podia ser mais oportuno. Não que tenha sido planeado por isso, mas a verdade é que existem coincidências felizes.
O QUE ELES DIZEM DELA
“Conheço a Teresa há uns anos e é uma pessoa que aprecio bastante sobretudo pela coragem que demonstra possuir e pelo prazer absoluto que lhe proporciona a competição. Há uns anos, estive numa prova em Espanha e ela teve problemas de direcção assistida mas, heroicamente, consegue fazer mais de 300 quilómetros e chegar ao destino final. Este é um exemplo da coragem que a Teresa possui. Penso que ela sente uma verdadeira paixão por aquilo que faz e tenho a certeza que este livro é muito importante para ela. Admiro o trabalho da Teresa a dou-lhe os parabéns porque ela decidiu partilhá-lo”.
Carlos Sousa
Campeão Mundial de Ralis de Todo-o-Terreno e da Taça FIA (título de Campeão da Europa), 4º lugar no Paris-Dacar
“Penso que é preciso ter-se muita coragem para se fazer um livro desta natureza. Sei-o por experiência própria. Conheço bem a Teresa e dou-lhe os meus parabéns por tudo aquilo que ela conseguiu”
José Megre
Organizador de Competições, Viagens e Expedições em Automóvel (e um dos responsáveis pelo prefácio no livro)
Ver comentários