Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
9

H.G. Wells além da Guerra dos Mundos

Último volume dos contos do autor inglês, na sua maioria inéditos em Portugal.
Fernanda Cachão 4 de Agosto de 2019 às 06:00

Correspondeu-se com George Bernard Shaw, Orson Welles ficou na história também por ter dado voz na rádio a um dos mais populares livros dele, ‘A Guerra dos Mundos’, uma obra-prima da ficção científica. H.G.Wells (1866-1946), que não escreveu apenas obras do género, ombreia com autores como Charles Dickens, Mark Twain ou Herman Melville na história da literatura em língua inglesa.

A editora E-primatur está a publicar a ficção curta completa deste inglês - e este mês deu à estampa o segundo e último volume; ambos incluem contos e novelas nunca antes publicados em Portugal.

"É duvidoso que o dom fosse inato. Pela minha parte, penso que lhe surgiu de repente. Na verdade, até aos trinta anos foi céptico e não acreditava em poderes milagrosos. Devo mencionar aqui, porque é o lugar mais adequado, que era um homem baixinho, de olhos castanhos vivos, cabelo ruivo muito eriçado, bigode cujas pontas dobrava para cima, e com sardas. Chamava-se George McWhirter   Fotheringay - um nome que de forma alguma fazia prever milagres - e era empregado de escritório na Gromshott", excerto de ‘O Homem que fazia milagres’ inserido neste último volume.  

Em ambas as edições, dois terços dos contos nunca antes foram editados em Portugal - o País só ocasionalmente conheceu edições com as obras   curtas  de Wells, nomeadamente aquela cuja   seleção   foi   de   Jorge   Luis Borges. Como nota o editor e fundador da E-primatur, a obra do inglês não é muito conhecida em Portugal, por não ter sido muito editado   -   as   primeiras edições de ‘A Guerra dos Mundos’, por exemplo, chegaram primeiro às livrarias nacionais em traduções brasileiras.

"Há um mito em Portugal de que os contos vendem pouco, mas não é verdade", diz Hugo Xavier.

Ver comentários