Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
7

José Cutileiro: O diplomata que viu mudar o mundo

Embaixador morreu este domingo, aos 85 anos, em Bruxelas, onde estava internado.
Miguel Azevedo 18 de Maio de 2020 às 01:30
José Cutileiro
josé cutileiro
José Cutileiro
josé cutileiro
José Cutileiro
josé cutileiro

Presidiu à Conferência de Paz para a ex-Jugoslávia, assistiu ao fim do Apartheid e privou com Nelson Mandela, foi secretário-geral da União da Europa Ocidental, viveu no Afeganistão, na Suíça e em Londres e, na sua veia de escritor, teve a ousadia, em 1965, de escrever sobre o Benfica (‘Os superportugueses’), usando o clube como metáfora do Portugal da época.

José Cutileiro, o embaixador antropólogo que representou Portugal um pouco por todo o Mundo, que dizia que a alternativa à diplomacia era a guerra e que os cocktails e as receções eram a parte mais chata do seu trabalho, morreu este domingo, em Bruxelas, onde vivia com a mulher. Tinha 85 anos e estava internado há vários dias. "Portugal perdeu uma grande figura da diplomacia da democracia, pessoa de grande cultura e espírito crítico, que as sua crónicas traduzem com humor e elevação", reagiu Marcelo Rebelo Rebelo de Sousa.

Nascido em Évora a 20 de novembro de 1934, José Cutileiro (irmão do escultor João Cutileiro) começou por estudar Arquitetura e Medicina mas viria a formar-se em Antropologia na Universidade de Oxford. Negociou, por exemplo, a adesão de Portugal à União da Europa Ocidental e chefiou a delegação que negociou com os EUA os termos da utilização da Base das Lajes, nos Açores. Foi embaixador em Estrasburgo (Conselho da Europa), Maputo e Pretória.

Foi uma das figuras de Portugal no Mundo, sem nunca perder ligação ao seu País.

O escritor e cronista que gostava de redigir obituários
José Cutileiro distinguiu-se também como escritor e cronista sob o alter-ego de Alfred Barnaby Kotter. Apaixonou-se pela escrita de obituários por se ter habituado a lê-los, mas a sua escrita foi para lá disso. Destacam-sa ‘Ricos e Pobres no Alentejo’, ‘ Versos da Mão Esquerda’ ou ‘Abril e Outras Transições’.

José Cutileiro Apartheid Afeganistão Nelson Mandela Benfica Portugal