Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais Sobre
2
Saber mais sobre Luís Vaz Teixeira
00:30 | 22/03
Repetir julgamento

Repetir julgamento

O advogado de Bruno ‘Pidá’, no recurso que interpôs para a Relação, afirma que o Ministério Público (MP) "escondeu três meses" a acusação contra o gang de Miragaia enquanto decorria o julgamento do gang da Ribeira, condenado pelo homicídio de Ilídio Correia. Luís Vaz Teixeira diz que se trata de "violação do princípio da lealdade processual".
00:30 | 26/12
Trio torturava para extorquir dinheiro

Trio torturava para extorquir dinheiro

Benjamim, Natalino e Hélder, os irmãos de Ilídio Correia, assassinado em Novembro de 2007 pelo gang da Ribeira, espalharam o terror, durante mais de dois anos, na noite do Porto. Após a morte do irmão mais velho, diz agora o Ministério Público, o trio dedicou-se às mais diversas actividades de tortura e agressões, sempre com o objectivo de extorquir dinheiro às suas vítimas. Muitos dos crimes foram cometidos como uma vingança pelo assassínio do irmão e a única diferença relativamente ao gang da Ribeira é a de que não provocaram mortes.
00:30 | 19/12
Pena máxima para ‘Pidá’

Pena máxima para ‘Pidá’

"Verdadeira emboscada" e "fuzilamento". Estes foram os termos que a procuradora do Ministério Público (MP) usou para caracterizar a morte de Ilídio Correia, em Novembro de 2007. Nas alegações finais do julgamento do processo conhecido como ‘Noite Branca’, a magistrada pediu pena máxima, 25 anos de cadeia, para Bruno ‘Pidá’, alegado líder do grupo da Ribeira, 24 para Mauro Santos e Fernando ‘Beckham’ e vinte para Ângelo ‘Tiné’.
00:30 | 11/02
“Viu GNR e foi atingido”

“Viu GNR e foi atingido”

"Eles davam-me indicações sobre a polícia que vinha atrás. Não vinham escondidos, vinham sentados no banco de trás. Ele viu a GNR e depois foi atingido. Se eles viram a GNR, a GNR também tinha de os ver a eles", defendeu ontem no Tribunal de S. João Novo, Porto, Bruno Coutinho.
00:30 | 05/02
Consumia drogas e foi para a PSP

Consumia drogas e foi para a PSP

Conseguiu ingressar na PSP apesar de consumir haxixe desde os 18 anos. A jovem que está a ser julgada no Tribunal de Gondomar depois de ter sido apanhada numa rede de tráfico terá beneficiado de um segundo relatório prévio de acesso à polícia que substituiu o primeiro onde era mencionada a dependência que tinha.
16:00 | 18/03
Pidá continua em prisão preventiva

Pidá continua em prisão preventiva

A juíza de Instrução Criminal do Porto Anabela Tenreiro decidiu esta terça-feira renovar a prisão preventiva a Bruno Pidá e aos outros três suspeitos na morte de empresários da noite portuense.
Mais notícias