Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Guiné-Bissau apoia recandidatura de António Guterres a secretário-geral da ONU

Umaro Sissoco Embaló destacou que as relações com Portugal nunca foram tão próximas.
Lusa 3 de Março de 2021 às 09:15
António Guterres
António Guterres FOTO: Reuters
O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, disse esta quarta-feira em entrevista à Lusa que vai apoiar a recandidatura de António Guterres a secretário-geral das Nações Unidas, destacando ainda que as relações com Portugal nunca foram tão próximas.

"É óbvio. Sou amigo pessoal de Guterres, conheço o António Guterres há 30 anos. Nós, com Portugal, sempre concertámos e essa concertação é permanente", afirmou o chefe de Estado guineense, quando questionado sobre um eventual apoio.

O Governo português formalizou em 24 de fevereiro a recandidatura de António Guterres para um segundo mandato de cinco anos como secretário-geral da ONU.

O atual mandato de António Guterres iniciou-se em 01 de janeiro de 2017 e termina em 31 de dezembro.

Em janeiro deste ano, o ex-primeiro-ministro português anunciou a sua disponibilidade para cumprir um segundo mandato de cinco anos entre 2022 e 2026.

As Nações Unidas deram início este mês ao processo formal de seleção do próximo secretário-geral da organização, ao pedirem aos 193 Estados-membros que submetessem os nomes de candidatos ao cargo.

Sobre as relações com Portugal, Umaro Sissoco Embaló, disse que a relação entre os dois países nunca foi tão próxima como hoje e que Lisboa é uma "porta de entrada para a Europa".

"Nunca tivemos uma relação de aproximação como temos hoje com Portugal", afirmou, salientando ser amigo pessoal do primeiro-ministro, António Costa.

Desde que tomou posse como Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló realizou visitas oficiais a vários países africanos, Portugal e Turquia, país com o qual houve um reforço das relações de cooperação, e tem recebido em Bissau vários chefes de Estado africanos.

"De espírito sou um diplomata, um homem de relações internacionais e penso que tínhamos de nos reafirmar no concerto das Nações. Isso, já temos. Já adquirimos o nosso espaço. Isso era o que nos faltava já há muitos anos, a presença da Guiné-Bissau no concerto das Nações, impor o respeito", afirmou Umaro Sissoco Embaló.

Questionado sobre se a nova dinâmica da política externa guineense já está a ter impacto, o chefe de Estado disse que, apesar da pandemia da covid-19, várias embaixadas abriram no país, nomeadamente Cabo Verde, Marrocos, Turquia.

Em termos económicos, o Presidente considerou que a captação de investimento foi tímida, mas que o último ano foi, sobretudo, dedicado a "trazer credibilidade" ao país.

"Já temos acordo com o Fundo Monetário Internacional. Na semana passada recebemos apoio de mais de 20 milhões de euros. [o apoio] vem do Banco Mundial, do Banco Africano de Desenvolvimento, mas isto tem um nome, credibilidade", afirmou.

Ver comentários