Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Arresto de bens de Isabel dos Santos sem impacto macroeconómico

Empresária afirmou que nunca foi notificada ou ouvida no âmbito no inquérito que levou ao arresto das suas contas em Angola.
Lusa 4 de Janeiro de 2020 às 13:10
A empresária angolana Isabel dos Santos
A empresária angolana Isabel dos Santos FOTO: Lusa

O consultor da Capital Economics que segue a economia de Angola considerou à Lusa que o congelamento das contas de Isabel dos Santos não terá um impacto macroeconómico relevante, sinalizando o ímpeto reformista do Governo.

"Congelar os ativos de Isabel dos Santos, filha do antigo Presidente de Angola, como parte do combate à corrupção, não deverá ter um grande impacto macroeconómico, mas sinaliza a seriedade do ímpeto reformista do Presidente Lourenço", disse Virág Fórizs.

"Outro exemplo do programa de reformas a favor dos empresários é a transição para um regime cambial mais flexível, o que, em conjunto, vai melhorar o ambiente empresarial e as perspetivas de evolução do país a longo prazo", disse Virág Fórizs.

No entanto, alertou, "a curto prazo, Angola vai sentir a dor motivada pelo aumento da inflação e pela política de austeridade, e a economia deverá manter-se em recessão pelo quinto ano consecutivo em 2020".

As declarações de Virág Fórizs surgem dias depois de o Tribunal Provincial de Luanda ter decretado o arresto preventivo de contas bancárias pessoais de Isabel dos Santos, do marido, Sindika Dokolo, e do português Mário da Silva, além de nove empresas nas quais a empresária detém participações sociais.

Isabel dos Santos detém participações em Portugal em setores como a energia (Galp e Efacec), telecomunicações (NOS) ou banca (EuroBic).

Questionada pela Lusa há dias, fonte oficial disse que a "CMVM está a acompanhar as implicações da referida decisão judicial, designadamente no que respeita a eventuais obrigações de prestação de informação ao mercado por entidades nacionais".

No entanto, tendo em conta que "a referida decisão incide primariamente sobre entidades de direito angolano, não se afigura por ora, e em face da informação disponível, exigível que sociedades cotadas nacionais, não visadas pela referida decisão, divulguem informação ao mercado", concluiu.

Portugal captou investimento angolano nos últimos anos, com a maioria concentrada nos setores da energia, banca e telecomunicações, grande parte através da empresária Isabel dos Santos.

Por setores, na energia, a petrolífera angolana Sonangol detém uma participação indireta na Galp através da Amorim Energia. Isto porque a petrolífera angolana controla a Esperanza Holding, empresa que, conjuntamente com o grupo Amorim, detém a Amorim Energia, a qual é dona de 33,34% da Galp Energia.

A Amorim Energia tem como acionistas a Power, Oil & Gas (35%), Amorim Investimentos Energéticos (20%) e a Esperanza Holding BV (45%). Por sua vez, a Esperanza é detida em 60% pela Sonangol e 40% por Isabel dos Santos.

Em outubro de 2015, através da Winterfell Industries, a empresária adquiriu a maioria do capital da Efacec Power Solutions, passando Mário da Silva - um dos visados no arresto de bens e 'braço direito' de Isabel dos Santos - a presidir ao Conselho de Administração.

Nas telecomunicações, Isabel dos Santos detém uma participação na NOS. A entrada no setor deu-se em 20 de dezembro de 2009 quando, através da Kento Holding Limited, ficou com 10% da Zon Multimédia.

Em maio de 2012, a Unitel International Holdings B.V. adquiriu 19,24% da operadora, no âmbito de movimentações que tinham como cenário uma possível fusão com a Optimus, da Sonaecom, do grupo Sonae.

Em novembro do mesmo ano, a Sonaecom e Isabel do Santos tornaram pública a operação de fusão, que viria a dar origem à NOS, operadora controlada pela ZOPT, de que são acionistas a empresária angolana e o grupo português liderado Cláudia Azevedo.

Na banca, é a maior acionista do EuroBic - a Santoro Financial Holding SGPS detém 25% e a FiniSantoro Holding Limited 17,5%, de acordo com dados disponíveis no 'site' da instituição -, com 42,5% do capital, após ter comprado uma parte da posição que pertencia ao empresário Américo Amorim.

A providência cautelar de arresto preventivo, decretada pelo tribunal, inclui os 99,9% pertencentes a Isabel dos Santos junto da empresa Zap Midia SA, através da sua empresa Finstar - Sociedade de Investimento e Participações.

A Zap Midia detém 70% da Zap, operadora de televisão paga, sendo que os restantes 30% estão nas mãos da NOS.

Na sequência do anúncio da decisão do tribunal, a empresária afirmou que nunca foi notificada ou ouvida no âmbito no inquérito que levou ao arresto das suas contas em Angola, negando as acusações em que é visada num processo que afirma ser "politicamente motivado".

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)