Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Isabel dos Santos acusa presidente angolano de a tentar neutralizar politicamente

Declarações da empresária à RTP, reagindo ao arresto dos seus bens por parte das autoridades judiciais angolanas.
Lusa 16 de Janeiro de 2020 às 01:24
Isabel dos Santos
Isabel dos Santos FOTO: Toby Melville / Reuters
A empresária angolana Isabel dos Santos acusou na quarta-feira o Presidente de Angola, João Lourenço, de estar a instrumentalizar a justiça numa perseguição pessoal e política para a neutralizar politicamente.

"Se nós quisermos lutar contra a corrupção em Angola devemos olhar para onde ela está" e "não podemos usar a suposta luta contra a corrupção de forma seletiva para neutralizar o que achamos que possam ser futuros adversários políticos", disse Isabel dos Santos, em entrevista na quarta-feira à noite à RTP, reagindo ao arresto dos seus bens por parte das autoridades judiciais angolanas, decretado de modo preventivo.

Isabel dos Santos afirma-se alvo de uma "perseguição política e pessoal" por parte da justiça, por indicação da liderança atual do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA).

O objetivo da luta contra a corrupção, anunciada pelo Presidente João Lourenço, é visar "pessoas que possam entrar no futuro no campo político e possam representar alguma influência ou alguma popularidade dentro do próprio MPLA", considerou a empresária, que não recusou ambições políticas.

"Tenho um grande sentido de dever em relação a Angola. Eu farei tudo o que terei de fazer para defender e prestar os serviços à minha terra e ao meu país", declarou, admitindo que "é possível" candidatar-se a Presidente do país.

"[O] meu pai deixou um grande legado político em Angola. É um legado que eu e muitos angolanos gostaríamos de ver respeitado", justificou a empresária, na entrevista à RTP.

A empresária disse ainda que aguarda ser chamada pela justiça portuguesa e pelo Banco de Portugal para esclarecer as suspeitas de branqueamento de capitais que estarão na origem do dinheiro que levou à compra do BPN, hoje Eurobic.

"Quero acreditar que a justiça portuguesa é uma justiça real e que funciona e que há um Estado de direito em Portugal", disse a empresária.

Isabel dos Santos acrescentou que está a ser perseguida por ter estado à frente da petrolífera angolana Sonangol e ter tentado alterar os procedimentos internos na empresa, que "eram muito opacos", nomeadamente na questão da venda de petróleo ao estrangeiro, a partir do escritório de 'trading' em Londres.

"Não há vontade de luta contra a corrupção", referiu, comentando o facto de ter sido nomeado como seu sucessor Carlos Saturnino, o mesmo gestor que, segundo Isabel dos Santos, foi o último responsável de um processo que deixou a Sonangol na falência, com dívidas de 20 mil milhões de dólares (18 mil milhões de euros).

"A Sonangol era um estado dentro de um estado" e "todos os conselhos de administração anteriores aos meus eram nomeados pelo anterior", criando um "sistema opaco" de controlo das contas, resumiu.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)