Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Moçambique espera vacinar 16 milhões de pessoas até ao próximo ano

Diretora-nacional adjunta da Saúde avançou que Moçambique espera alcançar a imunização coletiva através da combinação das vacinas até agora disponíveis.
Lusa 5 de Março de 2021 às 15:50
vacinar
vacinar FOTO: CMTV
Moçambique quer vacinar 16 milhões de pessoas contra a covid-19 até 2022, meta que corresponde a toda a população elegível à inoculação no território nacional, anunciou esta sexta-feira o Ministério da Saúde.

"Vamos fazer de tudo para que toda a população elegível seja vacinada até 2022 e para isso teremos de saber gerir o processo de vacinação", afirmou a diretora nacional adjunta da Saúde, Benigna Matsinhe.

Benigna Matsinhe falava aos jornalistas sobre o lançamento do plano de vacinação contra a covid-19, que será dirigido esta tarde pelo primeiro-ministro moçambicano, Carlos Agostinho do Rosário.

Num cenário mais otimista, a meta de vacinação contra a covid-19 em Moçambique pode ser atingida até ao final do primeiro trimestre do próximo ano e num panorama mais conservador até ao final do próximo ano, acrescentou.

"Será um processo extremamente longo e difícil, tendo em conta as dificuldades financeiras do nosso país e a complexidade na produção de disponibilidade das próprias vacinas", enfatizou Benigna Matsinhe.

Aquela responsável assinalou que o universo de pessoas a vacinar até ao próximo ano exclui crianças menores de 15 anos e gestantes, uma vez que as vacinas até agora disponíveis no mundo não foram testadas em indivíduos daqueles grupos populacionais.

A diretora-nacional adjunta da Saúde avançou que Moçambique espera alcançar a imunização coletiva através da combinação das vacinas até agora disponíveis.

Além das 200 mil doses da vacina Verocell oferecidas em fevereiro pela China e que serão usadas para a campanha de vacinação que é lançada hoje, o país vai recorrer aos fármacos disponíveis através da iniciativa internacional Covax, um mecanismo coordenado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para distribuir vacinas a países pobres.

"Vamos explorar todas as opções de vacinas disponíveis, quer através de mecanismos bilaterais, quer multilaterais, como a Covax", frisou Benigna Matsinhe.

Matsinhe mostrou confiança na adesão da população moçambicana à vacinação contra a covid-19, defendendo uma campanha de comunicação eficaz para "apagar os medos" sobre a eficácia das vacinas.

O país, continuou, vai realizar estudos e monitorizar os resultados da administração das vacinas contra a covid-19, por forma a apurar o seu grau de efetividade.

A campanha de vacinação que vai ser lançada hoje prevê a imunização de cerca de 60 mil profissionais de saúde, número que vai absorver cerca de 60% das 200 mil doses doadas pela China

Moçambique soma um total de 653 mortes por covid-19 e 59.607 casos de infeção, dos quais 69% são considerados recuperados e 205 estão internados (70% destes na cidade de Maputo).

Moçambique Ministério da Saúde Saúde Benigna Matsinhe China Covax medicina preventiva
Ver comentários