Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Descoberta de 800 corpos de crianças revela "capítulo obscuro e vergonhoso" da Irlanda

Cerca de 9 mil bebés e crianças morreram em instituições católicas para mães solteiras.
Beatriz Madaleno de Assunção(beatrizassuncao@cmjornal.pt) 14 de Janeiro de 2021 às 12:29
Criança vítima de maus tratos - Imagem ilustrativa
Criança vítima de maus tratos - Imagem ilustrativa FOTO: Getty Images
Foram descobertos 800 corpos de crianças dentro de uma vala comum, num convento de Tuam, na Irlanda, revelando um "capítulo obscuro e vergonhoso" daquele país, avançou o primeiro-ministro daquele país, Micheál Martin.

De acordo com a CNN, que cita o relatório oficial publicado esta quarta-feira, avança que pelo menos nove mil bebés e crianças terão morrido em instituições católicas para mães solteiras na Irlanda, entre 1922 e 1998, revelando um período de abusso e negligência registados naquele tipo de residência.

As mulheres chegavam a estas instituições grávidas em estado muito adiantado. Muitos dos bebés e crianças ficavam posteriosmente aos cuidados daquelas unidades religiosas onde eram vítimas de fome, maus tratos e trabalhos forçados.
Volume 90%
 

OS PEDIDOS DE DESCULPA

Perante o relatório, divulgado esta semana, o Governo irlandês fez saber que vai apresentar desculpas formais pelos abusos e pelas milhares de mortes.

Numa declaração feita na terça-feira, o primeiro-ministro Micheál Martin disse que o relatório descreve "um capítulo obscuro, difícil e vergonho da história irlandesa muito recente", a qual teve "consequências reais e duradoras para muitas pessoas".

JULIEN BEHAL / HANDOUT

O chefe da Igreja Católica da Irlanda já pediu desculpa.

Numa declaração feita esta terça-feira, o arcebispo elogiou o inquérito que revelou "um capítulo escuro da vida da igreja e da sociedade" e argumentou que a igreja fazia parte de uma cultura em que as pessoas eram estigmatizadas, julgadas e rejeitadas.

18 RESIDÊNCIAS FORAM INVESTIGADAS

Durante cinco anos, uma comissão investigou o funcionamento de 18 residências espalhadas pela Irlanda, entre 1992 e 1998, por onde terão passado cerca de 56 mil mulheres solteiras e 57 mil crianças.

"As mulheres eram admitidas (...) porque não conseguiram garantir o apoio da sua família e do pai do filho. Elas eram forçadas a sair de casa e procurar um lugar onde pudessem ficar sem ter que pagar. Muitos eram indigentes. Mulheres entravam nas residências porque que receavam que as famílias ou vizinhos soubessem da gravidez", lê-se no documento, citado pela Lusa.

A maioria dos casos foram registados nas décadas de 60 e 70 e, de acordo com o relatório, as mães solteiras irlandesas que foram admitidas neste tipo de instituições no século XX foi "provavelmente a mais alta do mundo".

Muitas as mulheres eram jovens cujas gravidezes for a do casamento eram consideradas "ilegítimas" por uma sociedade conservadora devota à Igreja Católica, sendo encaminhadas pelas próprias famílias em segredo para as residências, que se encarregavam de dar os bebés para adoção.

Tuam Irlanda política Micheál Martin crianças bebés mortos mortes
Ver comentários