Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Abutres em vias de extinção morrem ao comer restos de elefantes envenenados por caçadores furtivos

Caçadores furtivos envenenam a carne de elefante que é comida pelos abutres.
Correio da Manhã 13 de Setembro de 2019 às 09:53
A falta de alimento deve-se a lei implementada em 2011
Os abutres estão em risco de extinção
A falta de alimento deve-se a lei implementada em 2011
Os abutres estão em risco de extinção
A falta de alimento deve-se a lei implementada em 2011
Os abutres estão em risco de extinção
As populações de abutres em vias de extinção em África estão a ser ameaçadas. Os animais comem os restos mortais dos elefantes que são abatidos e envenenados por caçadores furtivos.

Embora se desconheça o motivo concreto do envenenamento, os caçadores furtivos normalmente contaminam os restos mortais de elefantes abatidos com o objetivo de matar os abutres, que costumam voar em círculos no céu quando um animal morre e, acabam por alertar as autoridades que protegem os parques naturais sobre essa atividade ilegal.

Nos últimos 20 meses, mais de 1036 abutres foram encontrados mortos no continente africano, refere Antonio Margalita, investigador do IREC -CSIC, num artigo publicado na revista Science, citado pelo jornal espanhol El País

No ano de 2018, em Moçambique, foram encontrados 87 abutres mortos pela mesma causa. Em 2019, morreram envenenados 573 abutres no Botsuana e na Zuzulândia (África do Sul). 

As autoridades botsuanas referem que o envenenamento foi causado por um "produto químico venenoso" encontrado nos cadáveres de três elefantes, o que provocou "uma importante mortalidade de abutres e águias".



África do Sul ambiente conservação abutres animais vias de extinção Moçambique Botsuana
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)