Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

Achava que coronavírus "era invenção", até que a mulher morreu de Covid-19

Homem arrependido por acreditar em "teorias da conspiração nas redes sociais" e não seguir regras de prevenção e segurança.
Correio da Manhã 29 de Agosto de 2020 às 20:05
Erin morreu com Covid-19. Marido está destroçado e arrependido por não ter acreditado na gravidade da pandemia
Erin morreu com Covid-19. Marido está destroçado e arrependido por não ter acreditado na gravidade da pandemia
Erin morreu com Covid-19. Marido está destroçado e arrependido por não ter acreditado na gravidade da pandemia
Erin morreu com Covid-19. Marido está destroçado e arrependido por não ter acreditado na gravidade da pandemia
Erin morreu com Covid-19. Marido está destroçado e arrependido por não ter acreditado na gravidade da pandemia
Erin morreu com Covid-19. Marido está destroçado e arrependido por não ter acreditado na gravidade da pandemia
Erin morreu com Covid-19. Marido está destroçado e arrependido por não ter acreditado na gravidade da pandemia
Erin morreu com Covid-19. Marido está destroçado e arrependido por não ter acreditado na gravidade da pandemia
Erin morreu com Covid-19. Marido está destroçado e arrependido por não ter acreditado na gravidade da pandemia

Um taxista da Florida nos EUA, que não acreditava que a atual pandemia da Covid-19, tornou-se voz ativa na divulgação da importância de adotar as medidas de prevenção da transmissão do coronavírus, depois da sua mulher, pastora de um culto religioso, ter morrido com a doença que assola o mundo.

Brial Lee Hitchens e a mulher, Erin, acreditavam "em teorias da conspiração que circulam no Facebook e outras redes sociais" e não procuraram ajuda médica quando Erin começou a ter os primeiros sintomas, apesar de ser doente de risco, por sofrer de asma e outros problemas respiratórios.

Em entrevista à BBC, o norte-americano confessou que o casal achava que eram verdadeiras as teorias absurdas que circulavam na Internet, e que diziam que a Covid-19 era causada pelas alegadas radiações 5G ou que era "uma invenção" do governo norte-americano para distrair a população. Nenhum dos dois seguia as medidas de distanciamento, etiqueta respiratória ou uso de máscara até que, em maio, tudo mudou.

Os dois foram infetados pelo novo coronavírus e aí Brian e Erin perceberam que não podiam estar mais errados. Numa publicação feita no Facebook, na altura em que ambos ficaram doentes, o taxista alertou para que os outros fossem "mais inteligentes" do que o casal tinha sido. "Não é uma questão de medo, deve ser uma questão de sabedoria. Olhando para trás, devia ter usado máscara. Mas não usei e estou a pagar o preço por isso. Peço perdão a Deus e à minha mulher. Sejam mais inteligentes e informados, e não sejam idiotas como eu fui, para que não vos aconteça o mesmo", escreveu Brian.

Brian relatou que ambos sofreram muito com a Covid-19. Estiveram quase um mês internados no hospital. Tudo parecia estar a correr bem nas primeiras semanas e Brian estava a recuperar, quando Erin piorou e teve que ser ligada a um ventilador. Já nunca voltou a recuperar e morreu no hospital. Ao mesmo tempo, o marido sentiu os efeitos do novo coronavírus nos pulmões enfraquecidos e desenvolveu pneumonia, o que o obrigou a ficar mais tempo no hospital. "Sentia-me fraco e exausto", revela.

"Quem me dera ter ouvido os apelos das autoridades de saúde desde o início. Este vírus é real e afeta as pessoas de forma diferente. Não posso mudar o passado. Só posso viver hoje fazendo melhores escolha no futuro, e apelar para que outros façam o mesmo", diz o taxista arrependido à BBC.

Segundo dados recentes, o Facebook já eliminou, desde o início da pandemia, mais de 7 milhões de artigos com informação errada sobre a Covid-19.

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Ver comentários