Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Acordo do Brexit nas mãos do Parlamento britânico

Governo britânico e União Europeia chegaram a acordo após negociações de última hora.
Ricardo Ramos 18 de Outubro de 2019 às 09:01
A carregar o vídeo ...
Governo britânico e União Europeia chegaram a acordo após negociações de última hora.
Após uma semana de intensas negociações, o governo britânico e a União Europeia formalizaram ontem um novo acordo do Brexit que permitirá a saída do Reino Unido da UE a 31 de outubro. Falta, no entanto, o aval do Parlamento britânico. Boris Johnson tem até amanhã para convencer os eurocéticos do seu partido e os unionistas irlandeses, que já avisaram que o acordo é "inaceitável".

"Quando existe vontade, há acordo - e temos um! É um acordo justo e equilibrado para a UE e para o Reino Unido que atesta a nossa vontade em alcançar uma solução", anunciou o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

O acordo, que mantém a Irlanda do Norte alinhada com o mercado único, mas fora da união aduaneira, foi concluído a poucas horas do arranque do Conselho Europeu, que já se preparava para oferecer uma nova extensão ao Reino Unido. "Temos um acordo. Já não há qualquer justificação para novo adiamento", afirmou Juncker, numa tentativa de pressionar os deputados britânicos.

Essa parece ser também a estratégia de Boris Johnson para convencer os críticos: colocar os deputados perante a escolha de aprovar este acordo ou condenar o Reino Unido a uma saída sem acordo da UE a 31 de outubro. "Temos um novo e grande acordo. Está na hora de cumprirmos o Brexit e trabalharmos em conjunto na nossa futura parceria com a UE, que pode ser incrivelmente positiva para ambos os lados", apelou ontem o primeiro-ministro, Boris Johnson.

O Parlamento britânico reúne-se amanhã para votar o documento, mas não há certezas. O Partido Unionista da Irlanda do Norte já disse que o acordo é "inaceitável", enquanto o Partido Trabalhista diz que "é ainda pior do que o acordo negociado por Theresa May", que foi chumbado três vezes pelo Parlamento.

PORMENORES
"Bom para as duas Irlandas"
O primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, saudou o acordo alcançado entre o Reino Unido e os 27 como "bom para a República da Irlanda e para a Irlanda do Norte". "Sem fronteira rígida. Protege o mercado único e o nosso lugar nele", afirmou.

"Que à quarta seja de vez"
António Costa considerou "ótimo" o acordo e fez votos para que "à quarta seja da vez", referindo-se às três vezes em que o acordo anterior foi rejeitado pelo Parlamento britânico. Já o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa considerou o acordo "uma magnífica notícia".
Ver comentários