Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
1

Advogada do Rio de Janeiro leva três tiros mas consegue desarmar cliente que tentou matá-la para não pagar honorários

Diego Teixeira, de 21 anos, não concordou com os honorários de cerca de 26,6 mil euros apresentados pela advogada.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 27 de Janeiro de 2022 às 16:26
Advogada
Advogada FOTO: Getty Images

Uma advogada de 27 anos, Nayara Gomes, da cidade brasileira de Campos dos Goitacazes, no estado do Rio de Janeiro, sobreviveu a uma tentativa de homicídio ao conseguir desarmar o agressor mesmo depois de ter sido atingida por três dos quatro tiros que ele disparou contra ela. Nayara, mãe de duas crianças, uma de 2 e outra de 6 anos, lutou desesperadamente com o homem que tentava matá-la e conseguiu escapar, estando esta quinta-feira internada num hospital da cidade com ferimentos nas duas mãos e no tórax.

O agressor é Diego Dorado Borgeth Teixeira, de 21 anos, cliente de Nayara, e que foi detido ao tentar fugir do local do crime, o escritório da advogada, localizado numa sala de um famoso edifício comercial da cidade. Ele foi autuado por tentativa de homicídio triplamente qualificado e por porte de arma ilegal, pois o revóver que usou tem a numeração raspada, indicando ter origem criminosa.

De acordo com Nayara e com as investigações iniciais da polícia de Campos dos Goitacazes, o motivo da tentativa de Diego de a matar foi o valor dos honorários que ela lhe cobrou por um processo de inventário de que ele é o beneficiário. Diego, já no final do processo, em Dezembro, não concordou com os honorários apresentados por Nayara, cerca de 26,6 mil euros, segundo ela um valor até baixo pela tabela da OAB, Ordem dos Advogados do Brasil, face ao elevado valor dos bens inventariados, e tentou anular a procuração que tinha passado à advogada.

A causídica recorreu ao juiz do processo para impedir a anulação da procuração e garantir o recebimento dos honorários, e Diego desapareceu por algumas semanas. Reapareceu agora na sala dela, já de arma em punho, e a polícia vai pedir que a detenção dele em prisão em flagrante seja convertida pela justiça em prisão preventiva para evitar que tente novamente matar Nayara.
Rio de Janeiro Nayara Gomes crime lei e justiça homicídio honorários Brasil
Ver comentários