Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Amazónia perdeu área florestal equivalente à Espanha em duas décadas

Durante o período em estudo, o ano de 2003 continua a ser o pior em termos de desflorestação, com 49.240 km2 desmatados.
Lusa 8 de Dezembro de 2020 às 17:40
Desflorestação bate recorde na Amazónia
Desflorestação bate recorde na Amazónia FOTO: Reuters
A desflorestação na Amazónia atingiu, entre 2000 e 2018, 513.016 km2, uma área equivalente ao território da Espanha, que reduziu a maior floresta tropical do mundo em 8%, de acordo com um relatório divulgado hoje.

De acordo com o relatório da Rede Amazónica de Informação Geográfica e Socioambiental (Raisg), um grupo de investigadores e organizações não-governamentais (ONG), a Amazónia "está muito mais ameaçada do que há oito anos", altura em que a mesma organização publicou um estudo semelhante.

O relatório, intitulado "Amazónia sob pressão", aponta para "o avanço das atividades mineiras, projetos de infraestruturas e o ressurgimento dos incêndios florestais".

A Amazónia abrange nove países (Brasil, Colômbia, Peru, Bolívia, Equador, Venezuela, Suriname, Guiana e Guiana Francesa), com uma população de cerca de 47 milhões de habitantes, incluindo muitas comunidades indígenas.

Durante o período em estudo, o ano de 2003 continua a ser o pior em termos de desflorestação, com 49.240 km2 desmatados.

A desflorestação diminuiu, entretanto, atingindo um mínimo em 2010 (17,674 km2), antes de acelerar novamente a partir de 2012.

Depois a área desmatada "triplicou de 2015 para 2018, atingindo 31.269 km2 só em 2018", diz o relatório.

O Brasil representa 62% da floresta amazónica e mais de 85% da desflorestação teve lugar no seu território, com 425.051 km2 desmatados entre 2000 e 2018.

A situação piorou desde a eleição, em 2019, do Presidente Jair Bolsonaro, que favorece a abertura das áreas protegidas e territórios indígenas à exploração mineira e agrícola.

Os satélites do Instituto Nacional de Investigação Espacial (INPE) do Brasil contabilizaram 11.088 km2 de floresta destruída entre agosto de 2018 e julho de 2019, o pior valor em 12 anos e um aumento de 9,5% em relação aos 12 meses anteriores.

O Brasil acolhe também 53,8% das 4.472 zonas de mineração ilegal, incluindo a exploração de ouro, identificados pela Raisg na Amazónia.

A Venezuela concentra 32% deste total, quando apenas 5,6% da floresta amazónica está localizada no seu território.

No que diz respeito aos incêndios florestais, foi na Bolívia que, proporcionalmente, causaram os maiores danos, com 27% do território amazónico desse país devastado pelo fogo no período 2000-2018.

"Desde 2001, uma média de 169.000 km2 de toda a floresta amazónica tem sido queimada por ano, dos quais 26.000 km2 estão em áreas protegidas ou territórios indígenas", diz o relatório.

O documento salienta que "pelo menos 13% da área florestal total foi queimada pelo menos uma vez desde 2001", com algumas áreas a conseguirem regenerar-se após os incêndios.

"Estes dados mostram que seria importante para os países da Amazónia trabalharem em conjunto para combater o avanço do desmatamento", diz Júlia Jacomini, investigadora do Instituto Socioambiental, uma ONG brasileira membro da Raisg.

Guiana Francesa Amazónia Espanha ONG Raisg Brasil Bolívia Venezuela ambiente recursos naturais florestas
Ver comentários