Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Área desflorestada na Amazónia brasileira cresce 171% em abril

Informação foi recolhida pelo Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Imazon, instituto que não tem ligação ao Governo brasileiro.
Lusa 18 de Maio de 2020 às 23:24
Amazónia
Floresta da Amazónia
Amazónia
Floresta da Amazónia
Amazónia
Floresta da Amazónia
A área desflorestada na Amazónia brasileira em abril foi de 529 quilómetros quadrados, representando um aumento de 171% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo dados do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).

A informação foi recolhida pelo Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Imazon, instituto que não tem ligação ao Governo brasileiro, que acrescentou que, entre o período de janeiro a abril de 2020, a desflorestação acumulada foi de 1.073 quilómetros quadrados, num aumento de 133% face ao mesmo período de 2019, quando a desflorestação totalizou 460 quilómetros quadrados.

Os números apresentados pelo Imazon contrastam com os dados divulgados no início do mês pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE, ligado ao Governo Federal), que relatou um aumento de 63,75% em abril, face ao mesmo mês do ano passado.

Segundo o INPE, foram emitidos sinais de alerta de desflorestação em 405,6 quilómetros quadrados nos estados da chamada Amazónia Legal, que inclui o Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e parte do Maranhão, um número bastante inferior em relação aos 529 quilómetros quadrados relatados pelo Imazon.

Tendo em conta os números do Imazon, a desflorestação na Amazónia em abril foi mesmo a maior em 10 anos, segundo o portal de notícias G1.

O Pará foi o estado mais afetado em abril, concentrando 32% de toda a área desflorestada, sendo seguido pelo Mato Grosso (26%), Rondônia (19%), Amazonas (18%), Roraima (4%) e Acre (1%).

"Em abril de 2020, a maioria (60%) da desflorestação ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse. O restante da desflorestação foi registado em unidades de conservação (22%), assentamentos (15%) e terras indígenas (3%)", acrescentou o Imazon em comunicado.

Para recolher esses dados, o Imazon usou o SAD, que recolhe imagens de diferentes satélites, observando as mesmas áreas geográficas em intervalos de cinco a oito dias.

Já o INPE, ligado ao Governo, usou o sistema Deter-B, que também usa "imagens obtidas em tempo real" por satélites. A cobertura de nuvens, intensa na região da Amazónia, pode impedir que uma área de desflorestação seja identificada no mês em que ela ocorre, e só apareça quando a visibilidade melhorar.

Além da desflorestação, a Amazónia brasileira foi fortemente ameaçada no ano passado pelos incêndios que fustigaram a região entre junho e agosto e obrigou o Governo a enviar as Forças Armadas para ajudar a controlar os fogos.

As imagens dos incêndios a destruir enormes extensões de vegetação circularam em todo o mundo e causaram uma onda de indignação entre a comunidade internacional e organizações não-governamentais, que acusaram o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, de ter uma retórica anti-ambiental.

A Amazónia, a maior floresta tropical do mundo que possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta, tem cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (pertencente à França).

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)