Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Bolsonaro perde com o Supremo e é obrigado a divulgar dados relativos à pandemia de coronavírus

Juiz fala em dever de informar.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 10 de Junho de 2020 às 09:25
Jair Bolsonaro sempre menosprezou a pandemia de Covid-19 no Brasil
Jair Bolsonaro sempre menosprezou a pandemia de Covid-19 no Brasil FOTO: Reuters
O presidente brasileiro sofreu uma nova derrota no Supremo Tribunal Federal, que o obrigou a voltar atrás na forma de divulgar os dados relativos à pandemia de coronavírus no país. Mudanças feitas pelo Ministério da Saúde impediam o acesso aos dados reais e provocaram uma vaga de protestos no Brasil, bem como de entidades internacionais.

Numa aparente tentativa de esconder a gravidade da situação e dar razão a Jair Bolsonaro - que sempre menosprezou a pandemia e agora diz que ela já passou, o que é negado pela Organização Mundial de Saúde -, o órgão governamental deixou de informar o total acumulado de infetados e de mortes e passou a divulgar apenas os casos das últimas 24 horas, e com números conflituantes. No domingo, após divulgar um novo recorde de vítimas fatais, o governo voltou atrás e, num segundo boletim, desapareceram 857 mortos que tinham sido antes confirmados.

O juiz Alexandre de Moraes, relator de três ações apresentadas ao Supremo Tribunal Federal por partidos políticos, determinou que o Ministério da Saúde, liderado desde 15 de maio interinamente por um general, Eduardo Pazuello, voltasse a divulgar os dados no formato anterior. "A Constituição consagra o princípio da publicidade como vetor imprescindível à administração pública com absoluta prioridade na gestão administrativa e no pleno acesso das informações a toda a sociedade", explicou o juiz.

O governo acatou a decisão e garantiu que voltará ao padrão anterior.

Mesmo assim, televisões e jornais brasileiros formaram um consórcio para criar e atualizar diariamente um portal próprio de dados sobre a Covid-19.

PORMENORES
Sinais em agosto
Um estudo da Harvard Medical School sugere que a Covid-19 pode ter começado na China em agosto. A conclusão baseia-se em imagens de satélite do tráfego no estacionamento dos hospitais de Wuhan e nos sintomas associados à doença.

Angola gasta 64,3 Milhões de euros
O Governo angolano gastou 43 mil milhões de kwanzas (64,3 milhões de euros) no combate ao novo coronavírus, que já infetou 92 angolanos, segundo o Relatório das Atividades Realizadas para o Controlo da Pandemia.
Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Ver comentários