Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Casa Branca tentou esconder provas de telefonema polémico feito por Trump

Denúncia anónima afirma que presidente dos EUA “pediu a interferência de um país estrangeiro nas eleições”.
Ricardo Ramos 27 de Setembro de 2019 às 08:51
Donald Trump, presidente dos EUA
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump, presidente dos EUA
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump, presidente dos EUA
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump
A denúncia anónima que está na origem do processo de destituição de Donald Trump acusa o presidente de "usar o poder do cargo para pedir a interferência de um país estrangeiro nas eleições presidenciais de 2020" e alega que a Casa Branca, ao aperceber-se da gravidade do ato, tentou esconder as provas.

O documento, esta quinta-feira tornado público depois de a Casa Branca ter inicialmente proibido que fosse enviado ao Congresso, foi escrito por um denunciante anónimo, membro da comunidade dos serviços de informações, "seriamente preocupado" com o facto de as ações do presidente poderem constituir "um abuso ou violação da lei grave e flagrante".

Em causa estão as alegações de que, numa conversa telefónica mantida em julho, Trump terá pressionado o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy para investigar o antigo vice-presidente democrata Joe Biden e o filho, no que pode ser interpretado como um uso ilegítimo do cargo para tentar ganhar vantagem sobre um adversário político.

De acordo com a denúncia, os assessores de Trump ter-se-ão apercebido da gravidade dos atos do presidente e tentaram esconder a transcrição oficial da conversa num servidor informático de acesso restrito, reservado a questões de segurança nacional, em vez de ficar disponível no servidor habitual.

Esta não terá sido a primeira vez que transcrições de conversas de Trump com líderes estrangeiros foram ocultadas dessa forma "devido à sua sensibilidade política".

A denúncia alega ainda que o advogado pessoal de Trump, Rudolph Giuliani, foi uma peça central na pressão sobre as autoridades ucranianas e que "vários funcionários da administração" deram a entender ao presidente ucraniano que só falaria com Trump se estivesse disposto a "alinhar no jogo" e a investigar Biden.

Pormenores
Trump ataca democratas
O presidente lançou esta quinta-feira um furioso ataque contra o processo de destituição, acusando os Democratas de "tentarem destruir o Partido Republicano e tudo aquilo que ele representa". "Mantenham-se juntos (...) e lutem com toda a força. O nosso país está em jogo", escreveu Donald Trump no Twitter, mensagem que acabaria por apagar.

Maioria garantida
Os democratas já garantiram os votos necessários (218) para aprovar o processo de destituição na Câmara dos Representantes. O futuro de Trump irá jogar-se no Senado, onde os republicanos têm maioria. São necessários dois terços dos votos (67 em 100) para aprovar a destituição do presidente.

"Denunciante fez o seu dever"
O diretor dos Serviços de Informações dos EUA, Jospeh Maguire, reconheceu esta quinta-feira no Congresso que o agente que denunciou os atos de Trump "cumpriu o seu dever" e "seguiu a Lei à risca" num caso "sem precedentes".
Casa Branca Donald Trump Joe Biden política crime lei e justiça eleições leis
Ver comentários