Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
1

China considera que Rússia tem "preocupações razoáveis" sobre Ucrânia

O Ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, falou com o seu homólogo norte-americano, Antony Blinken.
Lusa 27 de Janeiro de 2022 às 11:46
Wang Yi
Wang Yi FOTO: Getty Images
A China disse, esta quinta-feira, compreender as "preocupações razoáveis" de Moscovo em relação à Ucrânia, que os Estados Unidos receiam que seja alvo de um eventual ataque russo em meados de fevereiro.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, falou por telefone com o seu homólogo norte-americano, Antony Blinken, sobre a Ucrânia.

O país asiático absteve-se, até à data, de tomar explicitamente partido na crise entre a Rússia e o Ocidente, que acusa Moscovo de ter reunido 100.000 soldados junto à fronteira com a Ucrânia.

"As preocupações razoáveis de segurança da Rússia devem ser levadas a sério e abordadas", disse Wang a Blinken, segundo um comunicado divulgado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês.

A posição de Wang surge um dia após a rejeição formal por parte dos Estados Unidos e da NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte) do principal pedido de Moscovo: recusar a adesão da Ucrânia à Aliança Atlântica.

O chefe da diplomacia chinesa argumentou que a "segurança regional não pode ser garantida pelo fortalecimento ou expansão de blocos militares".

"Pedimos calma a todas as partes, que se abstenham de aumentar as tensões e de escalar a crise", afirmou Wang, ecoando a posição de Moscovo, que acusou o Ocidente de "histeria" em relação à Ucrânia e negou quaisquer planos para invadir o país.

De acordo com o comunicado do Departamento de Estado norte-americano, Blinken sublinhou ao homólogo chinês os "riscos globais de segurança e económicos apresentados por uma nova agressão russa contra a Ucrânia".

Washington continua convencido do risco de um ataque russo contra Kiev.

"Tudo indica" que Putin "vai usar a força militar em qualquer altura, talvez entre agora e meados de fevereiro", disse a vice-secretária de Estado dos EUA, Wendy Sherman, na quarta-feira.

Destacou que a abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, em 4 de fevereiro, pode influenciar o "calendário" russo, para evitar ofender o Presidente chinês, Xi Jinping, durante este evento importante para a China.

Na segunda-feira, Pequim descartou informações da imprensa norte-americana que afirmaram que Xi pediu a Putin para não invadir a Ucrânia durante os Jogos Olímpicos.

Durante a sua reunião com Blinken, Wang Yi também pediu a Washington que pare de "perturbar" os Jogos de Inverno.

Os Estados Unidos, como outros países, anunciaram um "boicote diplomático" para denunciar as violações dos Direitos Humanos na China.

Os países ocidentais acusam a Rússia de pretender invadir novamente o país vizinho, depois de ter anexado a península ucraniana da Crimeia, em 2014, e de patrocinar, desde então, um conflito em Donbass, no leste da Ucrânia.

A Rússia nega quaisquer planos para uma invasão, mas associa uma diminuição da tensão a tratados que garantam que a NATO não se expandirá para países do antigo bloco soviético.

Ver comentários