Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

João Lourenço acusa regime de Eduardo dos Santos de ter desviado 20,3 mil milhões de euros ao estado angolano

Em entrevista ao Wall Street Journal, o presidente angolano afirma que só da Sonangol terão sido subtraídos mais de 13 mil milhões de dólares.
11 de Outubro de 2020 às 14:07
João Lourenço
João Lourenço FOTO: LUSA

João Lourenço estima em 24 mil milhões de dólares (cerca de 20,3 mil milhões de euros) os prejuízos causados ao Estado angolano pela delapidação dos cofres públicos durante o regime de José Eduardo dos Santos. Este valor foi adiantando pelo presidente angolano em entrevista publicada este domingo, 11 de outubro, pelo Wall Street Journal.

João Lourenço especifica mesmo de onde foi retirado ilicitamente esse dinheiro. Assim, 13 mil e 515 milhões foram desviados através de contratos fraudulentos com a Sonangol, 5 mil milhões através das empresas de diamantes Sodiam e Endiama e os restantes 5 mil milhões retirados através de outros setores e empresas públicas.

O presidente angolano, na entrevista ao jornal norte-americano, faz também o balanço da luta contra a corrupção desencadeada pelo seu governo, adiantando que até agora já foram apreendidos os arrestados bens móveis e imóveis no valor de 4,2 mil milhões de euros. Entre esse bens constam fábricas, supermercados, edifícios, imóveis residenciais, hotéis, participações sociais em instituições financeiras e em diversas empresas rentáveis, material de eletricidade e outros ativos.

O chefe de Estado angolano avançou ainda que a PGR solicitou às suas congéneres estrangeiras a apreensão ou arresto de bens e dinheiro no valor de 5,4 mi milhões de dólares. Esses pedidos foram endereçados à procuradorias da Suíça, Holanda, Portugal, Luxemburgo, Chipre, Mónaco e Reino Unido.



Wall Street Journal João Lourenço Estado crime económico economia negócios e finanças política
Ver comentários