Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Confrontos no velório de Maradona abrem 'guerra' entre governo central e local

Organização do velório do astro argentino estava a cargo da presidência do país.
Lusa 27 de Novembro de 2020 às 16:22
Morreu Diego Armando Maradona. Tinha 60 anos
Morreu Diego Armando Maradona. Tinha 60 anos FOTO: Reuters
Os confrontos ocorridos durante o velório do ex-futebolista Diego Maradona originaram esta sexta-feira uma troca de acusações entre o governo argentino e as autoridades de Buenos Aires, devido a falhas na segurança.

Sabina Frederin, ministra da Segurança do país, afirmou que o primeiro responsável pela operação de segurança é do município de Buenos Aires, liderado por Horácio Rodriguez Larreta, um opositor do governo liderado por Alberto Fernández.

Diego Santilli, vice-alcaide da capital argentina, referiu que a organização do velório de Maradona, falecido na quarta-feira, aos 60 anos, estava a cargo da presidência do país e garantiu que foi constituído um comando unificado de segurança, liderado por forças federais e que contou com a colaboração da polícia da cidade.

A ministra da Segurança garantiu que foi a polícia local que ordenou o encerramento da fila de acesso ao local onde decorria o velório, enquanto Santilli assegurou que essa foi uma decisão do governo nacional, "que, de imediato, deu origem a distúrbios".

Na quinta-feira, o velório de Maradona terminou com confrontos entre a polícia e adeptos, que causaram ferimentos em 11 polícias e um civil e originaram 13 detenções.

Vários adeptos invadiram a Casa Rosada, palácio do governo, onde estava o corpo de Maradona em câmara ardente, com o caixão a ter de ser retirado, ficando sob proteção de militares.

A polícia foi obrigada a utilizar balas de borracha, bombas de gás lacrimogéneo e jatos de água para afastar a multidão, com a família de Maradona a decidir terminar o velório e iniciar o cortejo para o cemitério.

Os adeptos forçaram uma das portas de entrada, derrubando os seguranças, além de saltarem as grades que protegem a sede do governo. Apesar da intervenção das autoridades, cerca de 200 pessoas entraram no local.

Estes incidentes aconteceram depois de a família de Maradona ter decidido alargar o horário do velório por mais três horas, para permitir que mais pessoas pudessem prestar a última homenagem a 'El Pibe' e terminar com a confusão em redor da Casa Rosada.

Os adeptos que iriam ficar fora da homenagem acabaram por reagir com violência, atirando pedras e garrafas contra as autoridades, que responderam com balas de borracha e gás lacrimogéneo.

Diego Maradona Buenos Aires Diego Santilli Casa Rosada distúrbios guerras e conflitos morte futebol velório
Ver comentários