Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Crise atrasa construção do primeiro parque de diversões sexuais do mundo

O ErotikaLand terá uma piscina de nudismo, carrosséis com temáticas sexuais, um cinema 7D e um hotel.
Pedro Zagacho Gonçalves 7 de Maio de 2017 às 16:19
ErotikaLand será construído em Piracicaba, no Brasil
ErotikaLand será construído em Piracicaba, no Brasil
ErotikaLand será construído em Piracicaba, no Brasil
ErotikaLand será construído em Piracicaba, no Brasil
ErotikaLand será construído em Piracicaba, no Brasil
ErotikaLand será construído em Piracicaba, no Brasil

A empresa Soft Love planeava a abertura do primeiro parque de diversões sexuais do Mundo, o ErotikaLand, no Brasil, mas a crise económica que se vive no país obrigou ao cancelamento dos projetos de construção, pelo menos para já.

O espaço, destinado apenas a maiores de 18 anos, inclui uma piscina de nudismo gigante, um museu erótico, um salão de jogos eróticos e carrocéis com temáticas sexuais. O ErotikaLand teria ainda restaurantes e quiosques com a mesma temática, sex-shops, um parque de esculturas eróticas e, a estrela do espaço, um cinema 7D, em que os visitantes poderiam apreciar filmes para adultos numa experiência apelativa todos os sentidos, com cadeiras vibratórias incluídas.

Por 90 euros, os visitantes teriam acesso a todos os espaços do parque, incluindo o ‘comboio do prazer’, que garantiria festa todo o dia com strippers para todos os gostos. No entanto, o sexo em público no parque está proibido. Para isso há um hotel próprio no interior do parque.

A construção já estava agendada para começar mas, de acordo com a empresa responsável "por agora o projeto do parque foi suspenso, devido à crise política e económica que o Brasil tem enfrentado".

O ErotikaLand, que seria construído em Piracicaba, teve vários opositores logo na sua génese, com muitos habitantes locais a questionar "o género de pessoas que um parque destes atrairia". Matheus Erler, autarca local, criticou o projeto e considerou que traria "indivídos debochados" à localidade. "Não podemos ser conhecidos como a capital do sexo, isso seria terrível para a nossa imagem".

Mauro Morata, o empresário responsável pelo ErotikaLand assegura que o espaço tem o um propósito "também educativo" e que "vai promover o sexo seguro". "Naturalmente não vai ser o sítio ideal para freiras, mas também não estamos a tentar recriar Sodoma e Gomorra", afirma Morata, que lamenta que o projeto tenha sido atrasado, uma vez que iria criar mais de 250 postos de trabalho e serviria para promover o turismo na região.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)