Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Cunhado do rei de Espanha aguarda recurso em liberdade

Marido de Infanta Cristina fica em liberdade sem pagar fiança.
23 de Fevereiro de 2017 às 10:40
O marido da infanta Cristina, Inaki Urdangarin
Infanta Cristina de Espanha com o marido Iñaki Urdangarín
Infanta Cristina e Inaki Urdangarin
A infanta Cristina e o marido, Iñaki Urdangarin, são acusados de corrupção
Infanta Cristina e o marido, Iñaki Urdangarin
Iñaki Urdangarin
O marido da infanta Cristina, Inaki Urdangarin
Infanta Cristina de Espanha com o marido Iñaki Urdangarín
Infanta Cristina e Inaki Urdangarin
A infanta Cristina e o marido, Iñaki Urdangarin, são acusados de corrupção
Infanta Cristina e o marido, Iñaki Urdangarin
Iñaki Urdangarin
O marido da infanta Cristina, Inaki Urdangarin
Infanta Cristina de Espanha com o marido Iñaki Urdangarín
Infanta Cristina e Inaki Urdangarin
A infanta Cristina e o marido, Iñaki Urdangarin, são acusados de corrupção
Infanta Cristina e o marido, Iñaki Urdangarin
Iñaki Urdangarin

O cunhado do Rei Felipe VI de Espanha, Iñaki Urdangarin, fica em liberdade sem pagar fiança enquanto espera pelo recurso da sua condenação por fraude e desvio de dinheiros públicos, decidiu hoje o tribunal de Palma de Maiorca.

Iñaki Urdangarin foi condenado na semana passada a seis anos e três meses de prisão por fraude e desvio de dinheiros públicos no âmbito do caso Noos. Entretanto, o Ministério Público espanhol solicitou ao tribunal de Palma de Maiorca(onde o caso foi julgado) prisão preventiva, mas com possibilidade de ficar em liberdade mediante uma fiança de 200 mil euros.

No entanto, o tribunal decidiu hoje que apenas lhe seriam impostas medidas cautelares como a obrigatoriedade de se apresentar no dia 01 de cada mês perante as autoridades judiciais do seu país de residência (neste caso a Suíça) e comunicar ao tribunal qualquer deslocação para fora da Europa ou mudança de residência, incluindo temporária.

A Audiência de Palma considerou que Urdangarin tem suficientes raízes (familiares, sociais e laborais) em território espanhol para mitigar o risco de fuga, mesmo após a leitura de sentença.

Urdangarin saiu das instalações da Audiência de Palma de Maiorca entre gritos de "ladrão" e "devolve o dinheiro" lançados por um grupo de pessoas concentrado à porta do tribunal.

Muitos dos curiosos à porta do tribunal expressaram também a sua indignação pela decisão do tribunal de manter Urdangarin em liberdade (bem como ao outro condenado, Diego Torres), e de não lhe impor a fiança de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público.

O marido da infanta Cristina e cunhado do rei foi condenado a seis anos e três meses de prisão e ao pagamento de uma multa de 512.553 euros por enriquecimento com dinheiros públicos através de um esquema fraudulento feito pelo Instituto Nóos, que fundou e dirigiu entre 2004 e 2006.

O sócio de Urdangarin, Diego Torres, foi condenado a oito anos e seis meses de prisão por cinco delitos de corrupção cometidos como corresponsável no Instituto Nóos.

A decisão do juiz é conhecida 11 anos depois do início do caso, quando um deputado socialista pediu explicações pelos custos elevados de um fórum sobre turismo e desporto organizado por Iñaki Urdangarin para o governo regional das Ilhas Baleares.

Urdangarin era acusado de ter utilizado as suas ligações à família real para ganhar concursos públicos para organizar, entre outros, eventos desportivos, tendo em seguida desviado fundos para a Aizoon, uma empresa que geria em conjunto com a infanta Cristina e utilizava para financiar o seu estilo de vida luxuoso.

Ver comentários