Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Da chuva dourada à fraude fiscal: Ex-advogado de Trump faz revelações inéditas sobre o presidente dos EUA

Michael Cohen acusa o presidente norte-americano de ser "uma fraude, um bully, um racista, um predador e um vigarista".
Correio da Manhã 14 de Agosto de 2020 às 00:11
Michael Cohen com Trump em 2016
Donald Trump
Michael Cohen
Michael Cohen
Michael Cohen
Donald Trump
Donald Trump
Michael Cohen com Trump em 2016
Donald Trump
Michael Cohen
Michael Cohen
Michael Cohen
Donald Trump
Donald Trump
Michael Cohen com Trump em 2016
Donald Trump
Michael Cohen
Michael Cohen
Michael Cohen
Donald Trump
Donald Trump

Michael Cohen, o ex-advogado de Donald Trump, vai lançar "Desleal", um livro sobre o presidente dos Estados Unidos. O prefácio do mesmo foi revelado esta quinta-feira, mas já está a causar polémica devido às suas revelações inéditas que põem em causa a conduta do presidente norte-americano.

"De chuvas douradas num clube de sexo em Las Vegas, fraude fiscal e acordos com funcionários corruptos da ex-União Soviética (...) eu não era apenas uma testemunha da ascensão do presidente, eu fui um participante ativo e ávido".

Cohen acusa o presidente norte-americano de ser "uma fraude, um 'bully', um racista, um predador, um vigarista" e vai mais longe ao afirmar que as eleições presidenciais de 2016 foram uma fraude.

O advogado faz também referência a "chuvas douradas num clube de sexo em Las Vegas", sem apontar explicitamente Donald Trump como participante das mesmas.

"De certa forma, eu conhecia-o melhor do que a sua própria família porque testemunhei o verdadeiro homem, em clubes de strip, reuniões de negócios obscuros e nos momentos de descuido em que ele revelou quem realmente era", revela Cohen.

O também ex-conselheiro do presidente afirma que este "tinha conspirado com os russos" para vencer as eleições presidenciais de 2016, mas não "da maneira sofisticada" como muitos pensam. "Vencer sempre foi o modelo de negócios e estilo de vida" de Donald Trump, afirma Michael.

Recorde-se que Michael Cohen disse, há cerca de três semanas, que tinha sido preso pela segunda vez a 9 de julho - depois de libertado em maio para evitar ser infetado com o coronavírus - para que não conseguisse publicar o livro sobre o presidente norte-americano.

Cohen, de 53 anos, está a cumprir pena de três anos de cadeia por fraude fiscal, falsas declarações ao Congresso e financiamento da campanha, este último a referir-se a pagamentos feitos para silenciar mulheres que terão tido, alegadamente, casos com Donald Trump antes das presidenciais de 2016.

Michael Cohen Donald Trump advogado presidente dos EUA revelações inéditas
Ver comentários