Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Demite-se chefe da polícia de Malta acusado de falhas no caso Caruana Galizia

Lawrence foi fortemente criticado pela forma como dirigiu a investigação ao assassínio da jornalista Daphne Caruana Galizia.
Lusa 17 de Janeiro de 2020 às 14:13
Protesto contra Lawrence Cutajar
Protesto contra Lawrence Cutajar FOTO: Getty Images
O chefe da polícia de Malta, Lawrence Cutajar, demitiu-se esta sexta-feira depois de um polémico mandato marcado por críticas, nomeadamente do novo primeiro-ministro maltês, à forma como dirigiu a investigação ao assassínio da jornalista Daphne Caruana Galizia.

O chefe do governo, Robert Abela, em funções há apenas quatro dias, anunciou em conferência de imprensa a demissão de Cutajar, reclamada há muito pelos familiares de Daphne Caruana.

Um dos filhos da jornalista, Paul, celebrou a notícia no Twitter: "Riram-se de nós quando, um dia depois de a minha mãe ser assassinada, pedimos a demissão do primeiro-ministro e do chefe da polícia. Vejam como caem".

Robert Abela acedeu ao cargo após a demissão de Joseph Muscat por acusações de interferência política na investigação e ligações de colaboradores seus ao crime.

Cutajar, nomeado em 2016, afirmou na sua carta de demissão que se afasta "para que possam ser realizadas as necessárias mudanças na polícia", segundo o primeiro-ministro.

A família da jornalista e movimentos cívicos acusam Cutajar de incúria na condução de investigação e de não ter protegido adequadamente a jornalista, que era alvo de ameaças, antes do crime.

Uma das principais críticas tem a ver com a inação de Cutajar no caso da falência do banco maltês Pilatus, cujo presidente, o iraniano Ali Sadr Hasheminejad, denunciado pela jornalista por casos de corrupção em Malta, foi depois detido nos Estados Unidos e acusado de branqueamento de capitais.

Ficaram famosas em Malta as imagens que mostram Cutajar a sair de um restaurante onde jantava com colegas enquanto na televisão passavam imagens do presidente do Pilatus a sair por uma porta das traseiras do banco com duas malas nas mãos.

Daphne Caruana Galizia, que investigava casos de corrupção na elite política e empresarial do país, foi morta a 16 de outubro de 2017 com um engenho explosivo colocado no seu automóvel em Bidnija, onde vivia.

Três homens foram formalmente acusados do homicídio da jornalista.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)