Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

Detido em Moçambique um dos narcotraficantes mais procurados pelo Brasil

Brasileiro é também suspeito de ser o financiador de um plano de resgate de Marcos Willians Camacho, conhecido como 'Marcola', o líder máximo do PCC, preso em Brasília.
Lusa 13 de Abril de 2020 às 23:24
Cocaína
Cocaína FOTO: Lusa
Um dos traficantes de droga mais procurados pelo Brasil, e que estava foragido há mais de 20 anos, foi detido em Moçambique, anunciou hoje o Ministério da Justiça brasileiro.

"Gilberto Aparecido dos Santos, conhecido como 'Fuminho', foi preso hoje, em Moçambique. Considerado o maior fornecedor de cocaína ao Primeiro Comando da Capital (PCC) [maior fação criminosa do Brasil], e responsável pelo envio de toneladas de droga para diversos países, Fuminho é o primeiro integrante da lista dos criminosos mais procurados a ser capturado", indicou o Ministério da Justiça do Brasil em comunicado.

"Fuminho" estava foragido há 21 anos e foi condenado por crimes de tráfico de drogas, contra o património de instituições financeiras e de grandes empresas de logística, assim como de financiar a fuga de líderes de organizações criminosas.

O brasileiro é também suspeito de ser o financiador de um plano de resgate de Marcos Willians Camacho, conhecido como 'Marcola', o líder máximo do PCC, preso em Brasília.

A descoberta deste plano de resgate culminou com a decretação da operação da Garantia da Lei e da Ordem - autorização do uso das Forças Armadas por parte do Presidente da República - no perímetro da Penitenciária Federal de Brasília, em fevereiro último.

De acordo com a imprensa local, Fuminho fugiu da prisão em 1998, no mesmo dia que Marcola também escapou, e escondeu-se em países vizinhos, como Paraguai e Bolívia.

Segundo fontes policiais citadas pelo portal de notícias UOL, o narcotraficante deslocou-se recentemente para Moçambique, por ser um país em que se fala português.

A ação de captura deu-se através de um trabalho conjunto da Polícia Federal brasileira, sob a coordenação da Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça.

Contou ainda com a participação do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, do organismo norte-americano de combate ao narcotráfico, do Departamento de Justiça dos Estados Unidos e do Departamento de Polícia de Moçambique.

Fundado em 1993 durante uma rebelião numa prisão em São Paulo, o PCC concentra as suas atividades no tráfico de droga e de armas, especialmente nas regiões fronteiriças, e também atua no roubo de cargas, incluindo combustível.

Ver comentários