Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Dezenas de criminosos brasileiros fogem da prisão no Paraguai

Entre os presos estão Timóteo Ferreira, um dos líderes do PCC no Paraguai, e vários membros do grupo "Minotauro".
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 19 de Janeiro de 2020 às 17:18
Prisão
Prisão FOTO: Getty Images

Dezenas de criminosos brasileiros, todos ligados ao PCC, Primeiro Comando da Capital, de São Paulo, fugiram este domingo da Penitenciária Regional de Pedro Juan Caballero, no Paraguai, perto da fronteira com o Brasil. Os presos, todos considerados de alta perigosidade, fugiram através de um túnel e tudo indica que tiveram a conivência de guardas prisionais paraguaios, que nada fizeram para evitar a fuga em massa.

A fuga começou por volta das 04h00 deste domingo, (06h00 em Portugal Continental), e foi tudo captado pelas câmaras internas de videovigilância da penitenciária, sem que no entanto os guardas tivessem percebido ou, se perceberam, nada fizeram. Cecília Perez, ministra da Justiça do Paraguai, informou inicialmente que 91 presos tinham fugido, mas outro número, avançado pela procuradora Reinalda Palácios, deu conta de que o número de fugitivos era de 75.

Entre os presos que conseguiram fugir estão Timóteo Ferreira, um dos líderes do PCC no Paraguai e chefe da organização criminosa na penitenciária, e vários membros do grupo chamado "Minotauro", também da mesma facção criminosa paulista, que controla o tráfico de droga na fronteira entre o Paraguai e o Brasil. Advogados paraguaios tinham tentado ao longo das últimas semanas conseguir 'habeas corpus' para libertar os principais membros do "Minotauro", que, não tendo conseguido autorização da justiça, decidiram então fugir.

Dos 75 presos fugitivos, 25 estavam em celas no rés-do-chão da penitenciária e devem ter sido os responsáveis por escavar o túnel que passa por baixo dos muros e leva ao exterior da cadeia, e os outros 50 estavam no andar superior. Para descer para o piso de baixo, os 50 membros do PCC que estavam em cima tiveram de ultrapassar vários obstáculos, nomeadamente um portão de ferro que deveria estar trancado, o que parece não ter acontecido.

De acordo com o portal brasileiro G1, o Ministério da Justiça e Segurança Pública ordenou fechar a fronteira entre Brasil e Paraguai, na sequência da fuga dos presos. O governo brasileiro também já pediu ao Paraguai a lista com os nomes dos 75 integrantes do grupo.

Na manhã deste domingo, Cecília Perez colocou o cargo de ministra da Justiça à disposição do presidente paraguaio, Mário Abdo Benitez, em protesto contra o que considera a facilitação da fuga pelos responsáveis da penitenciária e a omissão de várias autoridades. Revelou ainda que já tinha alertado os órgãos do governo e o Ministério Público de que estava em curso um plano para uma fuga em massa de presos brasileiros e que era necessário tomar medidas emergenciais, mas nada foi feito.

Assim que a fuga foi informada, o governo do estado brasileiro do Mato Grosso do Sul, que faz fronteira com aquela região do Paraguai, reforçou a vigilância na área fronteiriça. Para as cidades mais próximas de Pedro Juan Caballero, as brasileiras Ponta Porâ e Dourados, foram imediatamente enviados reforços de agentes da Polícia Militar e da Polícia Civil (Judiciária).

O PCC, maior facção criminosa brasileira e que já expandiu as suas ações criminosas para vários países, controla o tráfico de droga na fronteira entre o Brasil e países vizinhos como Paraguai e Bolívia, e o grande poderio financeiro da organização tem permitido subornar autoridades desses países, garantindo regalias aos brasileiros presos e facilitando fugas.

Nos últimos tempos, numa mudança de postura, o presidente paraguaio começou a deportar os líderes do PCC presos no Paraguai sem os julgar, entregando-os diretamente à polícia brasileira na fronteira, o que pôs em risco a continuação das ações criminosas da organização na região e obrigou os traficantes a tentarem a liberdade através de fugas como essa.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)