Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Economistas afirmam que Trump está a repetir os erros que causaram a Grande Depressão

Alerta foi feito numa carta entregue ao presidente dos Estados Unidos, que é assinada por mais de mil profissionais.
Jornal de Negócios 3 de Maio de 2018 às 18:43
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump

A introdução de tarifas por parte dos Estados Unidos a um conjunto de produtos importados é um erro que pode ter um efeito contrário ao pretendido, tal com aconteceu em 1930 antes da grande Depressão.

O alerta é feito numa carta entregue ao presidente dos Estados Unidos, que é assinada por mais de mil economistas, onde se encontram 14 economistas que ganharam o prémio Nobel.

Estes economistas consideram que as medidas de protecionismo introduzidas pela administração norte-americana representam um perigo para a economia do país. Para esta conclusão lembram o que aconteceu antes da Grande Depressão dos anos 30, quando a economia afundou depois de terem sido introduzidas tarifas uma série de produtos.

"O Congresso [dos EUA] não teve em conta os conselhos dos economistas em 1930 e os norte-americanos em todo o país pagaram o preço", refere a carta, cuja elaboração foi organizada por um grupo conservador de contribuintes dos EUA, a National Taxpayers Union.

Muitos economistas atribuem às medidas de protecionismo de 1930, através da Smoot-Hawley Act, a principal responsabilidade pela Grande Depressão. Nesta carta, lembram que nessa altura também foi feito um alerta aos membros Congresso, que foi ignorado.

A Smoot-Hawley Act tinha como objetivo proteger as indústrias dos Estados Unidos, que é também agora partilhado por Donald Trump na imposição de tarifas.  

Os economistas argumentam que as tarifas aumentam os preços pagos pelos consumidores, penalizam as indústrias mais dependentes do comércio e o sector agrícola, originando medidas de retaliação por parte de outros países.

Os subscritores da carta enviada há 80 anos alertavam que uma guerra de tarifas "não representavam nada de bom para o crescimento e a paz mundial".

Ver comentários