Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
8

Embaixadora da UE na Venezuela deixa o país na terça-feira

Isabel Brilhante Pedrosa foi declarada "persona non grata" pelo Governo do Presidente Nicolás Maduro.
Lusa 27 de Fevereiro de 2021 às 20:04
Isabel Brilhante Pedrosa
Isabel Brilhante Pedrosa FOTO: EPA
A embaixadora da União Europeia na Venezuela, Isabel Brilhante Pedrosa, vai sair do país na terça-feira, informou este sábado à Lusa fonte diplomática europeia, sem adiantar mais detalhes.

Isabel Brilhante Pedrosa foi declarada "persona non grata" pelo Governo do Presidente Nicolás Maduro.

Na quarta-feira, Caracas decidiu expulsar a embaixadora em retaliação a uma série de sanções decretadas pela União Europeia contra 19 funcionários do Governo venezuelano.

À diplomata portuguesa foram dadas, inicialmente, 72 horas para deixar a Venezuela.

Uma fonte diplomática europeia citada pela agência noticiosa francesa AFP disse hoje que o atraso da saída de Isabel Brilhante Pedrosa da Venezuela se deve a "razões puramente logísticas", relacionadas com a "disponibilidade de voos".

No ano passado, a embaixadora recebeu igualmente ordem de expulsão, que acabou por ser revertida.

Ao contrário da primeira ordem de expulsão contra a diplomata, declarada no final de junho de 2020 por Nicolás Maduro, desta vez foi o ministro das Relações Exteriores venezuelano, Jorge Arreaza, quem comunicou a Isabel Brilhante Pedrosa que teria 72 horas para abandonar a Venezuela.

A decisão já era esperada, uma vez que na terça-feira o parlamento instou o executivo de Maduro a expulsar a embaixadora em resposta às últimas sanções do bloco comunitário.

Na segunda-feira, a União Europeia aprovou novas sanções contra a Venezuela, acrescentando 19 pessoas à sua lista por não reconhecer as eleições de 06 de dezembro, que considera que não cumpriram os padrões democráticos necessários.

Em resposta à ordem de expulsão de Isabel Brilhante Pedrosa, Bruxelas declarou na quinta-feira a chefe da missão da Venezuela junto da União Europeia, Claudia Salerno, "persona non grata".

A decisão não implica, porém, a sua expulsão do território comunitário, uma vez que Claudia Salerno também é embaixadora da Venezuela na Bélgica e no Luxemburgo.

Ver comentários