Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
1

“Estamos numa guerra suicida com a natureza": António Guterres alerta que é urgente tomar medidas

Secretário-geral da ONU lamenta que se esteja a investir mais em combustíveis fósseis do que renováveis.
Correio da Manhã 2 de Dezembro de 2020 às 14:33
António Guterres
António Guterres
António Guterres
António Guterres
António Guterres
António Guterres
O secretário-geral da ONU, António Guterres, deu uma entrevista ao jornal espanhol El País onde alerta que o mundo está "numa guerra suicida com a natureza" e lamenta que ainda não tenham sido tomadas medidas que mitiguem o impacto ambiental. Guterres lamenta que se esteja a investir mais em combustíveis fósseis do que renováveis e sublinha ser preciso mudar.

Devido à pandemia de Covid-19, a luta contra o aquecimento global ficou em segundo plano este ano e, por isso, Guterres define agora 2021 como o ano em que se deve formar uma união global para alcançar a neutralidade de carbono até 2050. Só assim se poderá garantir que o aumento médio da temperatura do planeta não ultrapassa 1,5 ºC em relação aos níveis pré-industriais, um objetivo ambicioso do Acordo de Paris.

"Estamos numa emergência climática, não estamos apenas no meio de uma terrível crise pandémica. Vemos que estamos numa situação de emergência quando olhamos o que acontece com o aumento da presença de gases de efeito estufa na atmosfera ou com o aumento das temperaturas - este ano é um dos três mais quentes já registados", começa por explicar.

O secretário-geral da ONU explica ainda o porquê da urgência em mudar comportamentos. "Estamos em guerra com a natureza e é uma guerra suicida porque a natureza responde sempre e fá-lo com violência crescente. Devemos criar paz entre a humanidade e a natureza e 2021 é o ano para isso", conclui.

Guterres defendeu ainda que os governos só atuam quando são pressionados e a juventude está a ganhar consciência da situação e a pressionar os países a mudarem em defesa do ambiente.

António Guterres El País política ambiente organizações internacionais
Ver comentários