Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

EUA comunicam a Maduro que tem um “prazo curto” para abandonar o poder

Saída do chefe de estado é a única maneira do líder venezuelano não enfrentar a justiça internacional e novas medidas de Washington.
Lusa 23 de Julho de 2019 às 23:07
Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro
Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro
Nicolás Maduro
Nicolás Maduro
Nicolás Maduro
Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro
Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro
Nicolás Maduro
Nicolás Maduro
Nicolás Maduro
Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro
Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro
Nicolás Maduro
Nicolás Maduro
Nicolás Maduro
Os Estados Unidos anunciaram hoje terem comunicado ao círculo próximo de Nicolás Maduro, que o presidente venezuelano tem um "prazo curto" para abandonar o poder caso não pretenda enfrentar a justiça internacional e novas medidas de Washington.

"Chegou o momento de os Estados Unidos e os países do Grupo de Lima lhe oferecerem uma saída [a Maduro] num tempo definido. E se não o fizer, as medidas vão endurecer muito, muito mais", afirmou em declarações à agência noticiosa Efe Mauricio Claver-Carone, responsável na Casa Branca pela América Latina.

"Esse prazo é imediato (…) e já o comunicámos indiretamente [a Maduro], através de pessoas em que ele confia. É importante que os países do Grupo de Lima façam o mesmo", acrescentou o assessor do Presidente norte-americano Donald Trump.

O Grupo de Lima, formado em 2017 e que integra 12 países latino-americanos e o Canadá, apelaram hoje à comunidade internacional para efetuar "um grande esforço" com o objetivo de organizar eleições na Venezuela, cuja crise ameaça "a segurança" do planeta.

"A situação que atravessa a Venezuela ameaça a paz e a segurança regional e compromete igualmente a segurança internacional", considerou o chefe da diplomacia argentina, Jorge Faurie, no início de uma reunião de dois dias em Buenos Aires. "É necessário um grande esforço para restabelecer a ordem democrática na Venezuela através da convocação de eleições", acrescentou.
Ver comentários