Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
8

Ex-diretor da CIA alerta que EUA e NATO irão destruir tropas russas na Ucrânia caso a ameaça nuclear de Putin se cumpra

Declarações de Petraeus surgem depois de Putin ter proclamado, na sexta-feira, a anexação de quatro regiões da Ucrânia.
Correio da Manhã 3 de Outubro de 2022 às 11:44
exército russo, russia, soldados
exército russo, russia, soldados FOTO: Getty Images

O ex-diretor da CIA e general aposentado do exército David Petraeus alertou no programa ‘This week’ da ABC, este domingo, que os EUA e os aliados vão destruir as tropas e os equipamentos da Rússia na Ucrânia se o presidente da Rússia, Vladimir Putin, usar armas nucleares no país.

Apesar disso, David Petraeus referiu que não conversou com o conselheiro de segurança nacional, Jake Sullivan, sobre a provável resposta dos Estados Unidos da América à escalada nuclear da Rússia.

"As ameaças nucleares de Putin precisam de ser levadas a sério", acautelou ainda o ex-general, advertindo para o facto de o governante russo estar "desesperado", uma vez que "a realidade do campo de batalha que enfrenta" ser "irreversível".

O aviso vem dias depois de Putin ter ameaçado o Ocidente com uma guerra nuclear e de ter proclamado, na sexta-feira, a anexação de quatro regiões da Ucrânia.

Quando questionado sobre se o uso de armas nucleares pela Rússia na Ucrânia traria os Estados Unidos e a NATO para a guerra, o ex-diretor da CIA mencionou que essa não seria uma situação que desencadeasse o artigo 5 da aliança, que exige uma defesa colectiva. Contudo, "uma resposta dos EUA e da NATO" estaria em vista.

"Em algum momento terá que haver algum tipo de início de negociações, como disse o presidente [ucraniano] Zelensky, será o fim", anunciou o general David Petraus.

Nos domingo, a Ucrânia reivindicou o controlo total do centro logístico oriental de Lyman. A área é a conquista do campo de batalha mais significativo da Rússia em semanas, fornecendo um potencial ponto de partida para novos ataques ao leste, fazendo aumentar a pressão sobre o Kremlin.

De acordo com o jornal Mail Online, acredita-se que a Rússia tenha sofrido muitas baixas durante a retirada do local. O país tinha entre cinco mil a cinco mil e 500 soldados na cidade antes do ataque ucraniano, referiu um porta-voz militar ucraniano no sábado. Mais de 60 mil soldados russos já morreram na guerra que agora está entra no oitavo mês.

Ver comentários