Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Ataque terrorista em concerto de Ariana faz 22 mortos

Explosões em Manchester fazem ainda 59 feridos.
Daniela Espírito Santo, Natacha Nunes Costa e Catarina Correia Rocha 22 de Maio de 2017 às 23:08
Alerta CM
Explosão em Manchester após concerto de Ariana Grande faz dezenas de mortos e feridos
Explosão em Manchester após concerto de Ariana Grande faz dezenas de mortos e feridos FOTO: Reuters

Uma explosão causou o pânico após um concerto de Ariana Grande em Manchester, no Reino Unido, na noite desta segunda-feira. Há pelo menos 22 mortos e 59 feridos confirmados pelas autoridades no último balanço realizado. A polícia britânica confirmou ainda a existência de crianças entre as vítimas mortais. 

As autoridades não têm dúvidas de que o incidente se tenha tratado de um ataque terrorista e que o homem que provocou a explosão nas imediações do estádio se trate de um bombista suicida. 

Segundo indicam as autoridades e a Manchester Arena, a explosão ocorreu fora do recinto, numa altura em que muitos fãs da cantora abandonavam o local.



Ariana Grande é muito apreciada por crianças e adolescentes, pelo que muitas das vítimas poderão ser menores. A Manchester Arena tem capacidade para 21 mil pessoas. 


Segundo avançam diversos meios de comunicação britânicos, os espectadores presentes no concerto ouviram uma grande explosão e tentaram fugir do local em pânico. 



Nas redes sociais, alguns internautas partilham as primeiras imagens do incidente, garantindo que muitas pessoas foram assistidas por equipas médicas fora do recinto. 




No Twitter, a polícia local confirmou inicialmente a existência de "um incidente no Manchester Arena", pedindo às pessoas para que se afastem do local. Mais tarde, confirmou a existência de vítimas: para já, há 19 mortos confirmados e pelo menos 50 feridos. Os feridos estão a ser tratados em seis hospitais da zona.

As autoridades confirmaram ainda que o atacante morreu no local. "Confirmo que o presumível terrorista tenha morrido na Manchester Arena. Acreditamos que ele trazia um explosivo improvisado que ao ser detonado provocou esta atrocidade", assumiu o chefe da polícia de Manchester, Constable Hopkins.

Helicópteros sobrevoaram a zona, avança o Daily Star, e muitas equipas de socorro, bem como elementos da polícia, estiveram no local. 

Um centro de informações de emergência foi criado, disse a Polícia de Manchester, que pediu às pessoas para evitarem aquela área da cidade.

A North West Ambulance Trust, que gere os serviços de emergência na região, informou que, "devido ao incidente em Manchester", só vão responder a casos de risco de morte, porque a maioria dos seus recursos estão dedicados ao incidente na Manchester Arena.

Equipas da brigada de minas e armadilhas também foram chamadas.

Houve uma explosão controlada próximo do local da primeira explosão perto das 01h45, mas o objeto encontrado não passava de uma mochila com roupas. As autoridades pediram a quem estivesse por perto para não se alarmar com esta explosão.



"Choque e pânico" entre os fãs em cenário de "carnificina"
Muitos dos que se encontravam no local e conseguiram escapar contam o que viram e ouviram.

Um pai, que se encontrava perto da arena para ir buscar a filha e a mulher que tinham ido assistir ao concerto, fala de "carnificina". "É chocante o que aconteceu. Vi umas 20 ou 30 pessoas no chão. Alguns eram crianças, outros pessoas com deficiências", explicou, à BBC.

Jade Baynes, de 18 anos, estava no local quando tudo aconteceu. Ao The Guardian, confessa que ouviu barulhos parecidos com tiros mesmo depois do concerto ter terminado. "Houve um enorme estrondo e toda a gente tentou fugir. Alguém disse para nos mantermos calmos, mas para tentarmos sair o mais rapidamente possível", explicou a jovem. 

Já Oliver Jones, de 17 anos, estava no concerto com a irmã, de 19 anos. "Estava na casa de banho quando ouvi um enorme estrondo depois do concerto já ter terminado e enquanto as pessoas estavam a começar a abandonar o local. O estrondo ecoou pela arena e as pessoas começaram a correr", disse. 

"Estou em choque e pânico. Vemos isto nas notícias a toda a hora mas nunca esperamos que nos aconteça a nós. Só tive tempo de correr e garantir que a minha irmã estava a salvo", confessou o jovem. 

"Estávamos ao pé da porta de saída quando sentimos uma explosão massiva e toda a gente começou a gritar", contou Catherine MacFarlane, que estava no local, à agência Reuters. "Foi uma enorme explosão. Conseguimos senti-la no peito. Foi caótico. Toda a gente corria e berrava e tentava sair dali", adiantou. 

Um pouco por todo o planeta, milhares de fãs de Ariana Grande partilharam nas redes sociais a sua preocupação com o estado de saúde da cantora enquanto pouco se sabia do sucedido. No entretanto, representantes da cantora já garantiram que a artista está bem.

No Twitter, a cantora garantiu estar "de coração partido". "Do fundo do meu coração, lamento mesmo muito o que aconteceu. Não tenho palavras", disse.



Crianças refugiam-se em hotéis e casas próximas
Diversos hotéis próximos do local da explosão, bem como casas particulares, estão a ser usadas como refúgio por parte de crianças e adolescentes que se perderam da família e dos amigos no meio da confusão.

No Twitter, são muitas as publicações de pessoas que moram perto da Manchester Arena e que estão a oferecer abrigo a quem não puder voltar a casa esta noite. A hashtag utilizada nas principais redes sociais é #RoomforManchester

É também por aqui que muitos pais vão pedindo ajuda para encontrar filhos perdidos no caos que se seguiu ao concerto de Ariana Grande. 

Não há comboios a circular de e para a estação de comboios de Manchester Victoria, próximo do local. Esta foi evacuada por precaução e está a servir agora apenas para receber feridos.

Hospitais da área de Manchester tratam feridos por estilhaços
Os hospitais da área de Manchester estão a tratar várias pessoas feridas na explosão na Arena desta cidade britânica, a ferimentos provocados por estilhaços, informou o correspondente da Sky News para os Assuntos Internos, Mark White.

O correspondente desta área da BBC, Daniel Sandford, avançou, por seu turno, que os principais dirigentes da área do antiterrorismo estão reunidos em Londres e em ligação com o Governo.

Theresa May fala em "ataque terrorista assustador"
A primeira ministra britânica, Theresa May, já reagiu ao acontecimento, garantindo que o Governo está a "trabalhar para recolher todos os detalhes do que a polícia está a tratar como um ataque terrorista assustador". 

"Os nossos pensamentos estão com as vítimas e com as famílias daqueles que foram afetados", diz. 

May deverá presidir a uma reunião da Comissão Cobra, que é acionada em situações de crise e inclui representantes de forças da polícia e de outras autoridades, marcada para esta terça-feira às 09h00.

Segundo a Sky News, a primeira ministra britânica deverá suspender a campanha eleitoral à luz dos acontecimentos desta segunda-feira em Manchester. Recorde-se que o Reino Unido tem eleições marcadas para 8 de junho. 

Ministro da Segurança britânico pede vigilância aos cidadãos
O ministro da Segurança britânico, Ben Wallace, pediu aos cidadãos para se manterem vigilantes, apelando para que liguem para a linha de apoio antiterrorista se detetarem algo suspeito, revela o jornal The Guardian.

Considerando as explosões junto à arena de Manchester como um ataque, disse que os seus pensamentos "estão com todas as vítimas do incidente desta noite e os serviços de emergência estão na rua a ajudar as vítimas e mantendo os britânicos seguros".

A linha de apoio anti-terrorista indicada pelo ministro da Segurança é 0800 789123.

Apoiantes do Daesh celebram online
Internautas que simpatizam com o Daesh celebraram nas redes sociais o atentado desta segunda-feira. O grupo terrorista não confirmou, até ao momento, a autoria do ataque. 

Diversas contas afiliadas ao Daesh na rede social Twitter usaram hashtags relacionadas com o incidente para divulgar mensagens de celebração, encorajando outros a executarem ataques similares noutros lugares, sobretudo na Europa e nos EUA. 

Facebook ativa "safety check" para Manchester
A rede social Facebook, largamente utilizada em todo o planeta, ativou a opção "safety check", que permite que os utilizadores localizados em Manchester comuniquem aos seus familiares e amigos que estão bem de saúde. 

Esta opção é normalmente utilizada em casos de desastres naturais e ataques terroristas. 

Suspensa campanha para legislativas antecipadas
A campanha para as legislativas antecipadas no Reino Unido, a 08 de junho, foi suspensa após a explosão que causou pelo menos 22 mortos e mais de 59 feridos no final de um concerto em Manchester.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, cancelou as ações de campanha previstas para hoje.

Theresa May preside esta manhã a uma reunião da Comissão Cobra, que é acionada em situações de crise e inclui representantes de forças da polícia e de outras autoridades.

A conservadora Theresa May e o seu rival trabalhista Jeremy Corbyn concordaram em "suspender até nova ordem" a campanha por causa do atentado, disse Jeremy Corbyn, citado pela agência Press Association.

O líder dos liberais democráticos britânicos, Tim Farron, cancelou uma visita de campanha a Gibraltar na sequência da explosão que a polícia disse estar a tratar como um ataque terrorista.

Concerto de Ariana em Portugal em risco
Ariana Grande tem concerto marcado em Portugal. A cantora pop deveria subir ao palco do Meo Arena a 11 de junho como parte da digressão "Dangerous Woman Tour".

No entanto, e tendo em conta os acontecimentos desta segunda-feira, o cancelamentos dos próximos concertos de Ariana poderá ser uma possibilidade. 
Ariana Grande Manchester Police Reino Unido Manchester Arena Twitter Arena artes cultura e entretenimento
Ver comentários