Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
8

Facebook e Twitter acusados de censura nos EUA

Redes sociais limitaram partilha de artigo do tabloide ‘New York Post’ sobre Hunter Biden, filho do candidato democrata Joe Biden, por considerarem material “pouco credível”.
Ricardo Ramos 16 de Outubro de 2020 às 08:28
Joe Biden já falou várias vezes sobre os problemas do filho, Hunter, com as drogas
Jornal publicou foto de Hunter Biden com um cachimbo de ‘crack’ na boca
Joe Biden já falou várias vezes sobre os problemas do filho, Hunter, com as drogas
Jornal publicou foto de Hunter Biden com um cachimbo de ‘crack’ na boca
Joe Biden já falou várias vezes sobre os problemas do filho, Hunter, com as drogas
Jornal publicou foto de Hunter Biden com um cachimbo de ‘crack’ na boca
O Facebook e o Twitter foram esta quinta-feira acusados de censura pela campanha de Donald Trump por limitarem a partilha de um artigo polémico sobre Hunter Biden, filho do candidato democrata Joe Biden. O texto em causa, publicado pelo tabloide pró-Trump ‘New York Post’, faz várias referências à vida pessoal de Hunter Biden, incluindo o já conhecido uso de drogas, e tenta implicar o candidato democrata nos seus negócios suspeitos na Ucrânia.

As redes sociais não apagaram o artigo mas optaram por restringir a sua partilha, avisando os utilizadores que se trata de “material pouco credível”.

A notícia foi escrita com base em milhares de emails entregues ao ‘New York Post’ pelo advogado de Trump, Rudolph Giuliani. Os emails terão sido recuperados de um computador que Hunter Biden mandou reparar numa loja do Delaware em abril de 2019 e que nunca foi levantar. O dono da loja contou ao tabloide que entregou o material ao FBI em janeiro deste ano, mas antes fez uma cópia do disco rígido, que entregou a Giuliani.

O artigo publicado pelo ‘Post’ inclui uma foto de Hunter a dormir com um cachimbo de ‘crack’ na boca. Apesar de embaraçosa, a revelação não é propriamente uma novidade, já que os problemas de abuso de drogas do filho de Biden são bem conhecidos, e o próprio candidato falou deles no debate com Trump. Mais problemático poderá ser um email de Vadym Pozharskyi, um executivo da empresa ucraniana Burisma, para o qual Hunter Biden trabalhou quando o pai era vice-presidente. No email, Pozharskyi agradece a Hunter “pela visita a Washington e pela oportunidade de conhecer” Joe Biden, o que, para os republicanos, supostamente prova que o então vice-presidente estava a par dos negócios alegadamente suspeitos do filho na Ucrânia e que terá usado a sua influência para o ajudar. n *com agências

pormenores
Campanha silenciada
O Twitter impediu temporariamente a conta oficial da campanha de Trump de fazer publicações após ter partilhado um vídeo sobre as alegações do ‘New York Times’ em que acusa Joe Biden de ser “um mentiroso que rouba o país há anos”.

Teoria da conspiração
Trump partilhou no Twitter uma teoria da conspiração do grupo QAnon que alega que a Administração Obama forjou a morte de Osama bin Laden, matando um duplo, e que os SEAL que participaram na operação foram mortos por ordem de Biden para esconder o segredo.\
Ver comentários