Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Fica com faca cravada nas costas durante 44 horas por falta de médico em hospital de Brasília

Ferido foi operado quase dois dias depois após a mulher ter denunciado o caso à imprensa.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 18 de Fevereiro de 2020 às 19:01
Médicos
Médicos FOTO: Getty Images

Um homem de 28 anos ficou mais de 44 horas com uma faca cravada nas costas à espera de ser atendido num hospital público da cidade de Brasília, a capital federal brasileira, por, naquela unidade, não haver um neurocirurgião. O rapaz, que pediu para não ser identificado por temer represálias dos homens que o esfaquearam, só foi operado ao início da madrugada desta terça-feira, depois de a mulher, desesperada, ter pedido ajuda à imprensa e o caso ter tido muita repercussão.

O ferido chegou ao Hospital Regional de Taguatinga, cidade a 26 km de Brasília, ao início da madrugada de domingo, depois de ter sido esfaqueado por dois homens num bar. Na origem da desavença terá estado o homem ter reclamado do tempo que um amigo dos agressores demorava na casa de banho, que ele também queria usar. Como a faca ficou cravada a curta distância da medula óssea, os médicos das urgências não puderam realizar a cirurgia, que teria de ser feita por um especialista, um neurocirurgião.

O problema é que aquele hospital não tem esse tipo de especialista e o ferido, sem que tenha sido dada qualquer explicação para isso, também não foi transferido para outra unidade hospitalar onde houvesse neurocirurgião. Ao longo de todo o domingo e até à noite de segunda-feira, o ferido ficou deitado de bruços, ainda com a faca cravada nas costas, sem poder alimentar-se adequadamente ou mexer-se, pois qualquer movimento poderia fazer a lâmina mover-se e paralisá-lo para sempre.

Cansada de tanta demora e desesperada com o sofrimento do marido, a mulher do ferido procurou a imprensa e o caso tomou rapidamente grande proporção, principalmente por causa das imagens da faca espetada nas costas do paciente. Finalmente transferido para outra unidade, o Hospital Regional Leste, na região do Lago Paranoá, em Brasília, o rapaz foi finalmente operado por uma equipa de nove médicos, entre eles dois cirurgiões especializados em coluna.

Segundo a mulher do ferido, que também pediu para não ser identificada, os médicos deste hospital foram "fantásticos" e a delicada cirurgia foi um sucesso. Ainda de acordo com ela, os médicos garantiram-lhe que o marido não ficará com nenhuma sequela do ferimento.
Brasília saúde hospitais questões sociais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)