Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Forças armadas espanholas deixam de apoiar Guarda Civil na fronteira terrestre com Portugal

Ministério da Defesa informou que os militares vão continuar a apoiar em tarefas contra a Covid-19.
Lusa 11 de Maio de 2020 às 16:09
Patrulhamento vai ser feito em conjunto com militares da GNR e elementos espanhóis da Guardia Civil
Patrulhamento vai ser feito em conjunto com militares da GNR e elementos espanhóis da Guardia Civil FOTO: Luís Costa
As Forças Armadas espanholas vão deixar de apoiar a Guarda Civil no controlo das fronteiras terrestres com Portugal e França, para o qual tinham sido chamadas em março, informou esta segunda-feira o Ministério da Defesa de Espanha.

As tropas vão deixar à Guarda Civil (força correspondente à portuguesa GNR) a tarefa de controlar as fronteiras terrestres, embora permaneçam preparadas para o caso de terem de ser reafetadas.

No entanto, os militares irão permanecer nas fronteiras terrestres com Marrocos, nas duas cidades espanholas no norte de África, Ceuta e Melilla.

A retirada dos militares é realizada a pedido do Ministério do Interior, o mesmo que na terceira semana de março solicitou o seu destacamento durante a terceira semana do estado de emergência que entrou em vigor em 15 de março, devido à pandemia de covid-19.

O Ministério da Defesa também informou que os militares vão continuar a apoiar em tarefas contra a covid-19, como a desinfeção de lares de idosos e centros de saúde, assim como transporte de alimentos.

O restabelecimento dos controlos nas fronteiras internas da Espanha com a França e Portugal entrou em vigor em 17 de março, no âmbito das medidas de confinamento da covid-19 e com o objetivo de proteger a saúde e a segurança dos cidadãos.

Estes controlos, que ainda não se sabe quando vão acabar, apenas permitem o acesso ao território nacional aos cidadãos espanhóis, aos residentes em Espanha, aos trabalhadores transfronteiriços e àqueles que possam provar a deslocação por força maior ou uma situação de necessidade.

A restrição não se aplica ao transporte de mercadorias, a fim de assegurar a continuidade da atividade económica e preservar a cadeia de abastecimento.

Espanha é um dos países mais atingido pela doença que a nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, já provocou mais de 282 mil mortos e infetou mais de 4,1 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Metade da população de Espanha iniciou esta segunda-feira a chamada "fase um" do plano de alívio das medidas rígidas aprovadas com a entrada em vigor do estado de emergência em meados de março.

Espanha registou 123 mortes devido à pandemia de covid-19 nas últimas 24 horas, uma redução em relação às 143 de domingo, que foi o dia com menos vítimas mortais desde 18 de março.

Até agora, Espanha contabiliza um total de 26.744 óbitos.

De acordo com o Ministério da Saúde espanhol, houve 373 novos casos positivos com a doença, um número que também está em queda, elevando para 227.436 o total de infetados confirmados até esta segunda-feira pelo teste PCR, o mais fiável na deteção do vírus.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)