Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Fretilin inicia diálogos com forças políticas timorenses para resolver crise

Partido quer criar conjuntura de "confiança" que ajude a resolver a crise política do país.
Lusa 18 de Fevereiro de 2020 às 10:48
fretilin, timor, mari alkatiri, gastos, petróleo
fretilin, timor, mari alkatiri, gastos, petróleo
A Fretilin, maior partido no parlamento timorense, atualmente na oposição, iniciou esta terça-feira diálogos com as forças parlamentares para criar uma conjuntura de "confiança" que ajude a resolver a crise política do país, disse um responsável do partido.

José Reis, secretário-geral adjunto da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), explicou à Lusa que a reunião desta terça-feira com o Partido Libertação Popular (PLP), do atual primeiro-ministro Taur Matan Ruak, "pretendeu contribuir para "criar um ambiente de confiança entre os partidos" com assento parlamentar.

Reis recebeu esta terça-feira na sede da Fretilin uma delegação liderada por Maria Angelina Sarmento, 3ª vice-presidente do PLP e Francisco Vasconcelos, vice-presidente da Comissão Política Nacional do partido.

A reunião decorreu depois de um encontro do secretário-geral da Fretilin, Mari Alkatiri, com o seu homólogo do Partido Democrático (PD), António da Conceição.

"A reunião de hoje com o PLP foi uma primeira reunião para acertar pontos sobre as possibilidades de contribuir para a solução deste impasse", disse à Lusa José Reis depois do encontro.

"A Fretilin continua a não querer ser o bloqueio para esta solução de impasse e tem que contribuir para resolver a situação", afirmou.

Mari Alkatiri descartou já a possibilidade do partido liderar ou integrar uma coligação, afirmando que está preparado para governar depois das eleições de 2023.

Mas José Reis disse esta terça-feira que o partido "está aberto ao diálogo com todos", explicando que estão previstos mais encontros esta semana como o PLP e com outras forças políticas ainda que não tenha sido ainda marcado ou previsto um encontro com o maior partido da coligação do Governo, o Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), de Xanana Gusmão.

"Significa que a Fretilin coloca os interesses de 1,2 milhões de pessoas acima do interesse do partido. Não podemos continuar com esta situação. Por isso a Fretilin quer continuar a contribuir", afirmou.

Numa próxima fase de diálogo poderá haver uma reunião entre os líderes máximos da Fretilin e do PLP.

"As lideranças dos dois devem encontrar-se, do PLP e da Fretilin, e também o envolvimento de outros partidos necessários para essa solução", considerou, sem avançar qualquer cenário concreto.

Ver comentários