Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Foge do Irão por ter sido fotografada nua e acaba a viver como sem-abrigo em Paris

Para viver o sonho de ser modelo, "Negzzia" passou fome e dormiu na rua.
15 de Junho de 2019 às 18:31
Para viver o sonho de ser modelo, 'Negzzia' passou fome e dormiu na rua.
Para viver o sonho de ser modelo, 'Negzzia' passou fome e dormiu na rua.
Para viver o sonho de ser modelo, 'Negzzia' passou fome e dormiu na rua.
Para viver o sonho de ser modelo, 'Negzzia' passou fome e dormiu na rua.
Para viver o sonho de ser modelo, 'Negzzia' passou fome e dormiu na rua.
Para viver o sonho de ser modelo, 'Negzzia' passou fome e dormiu na rua.
Para viver o sonho de ser modelo, 'Negzzia' passou fome e dormiu na rua.
Para viver o sonho de ser modelo, 'Negzzia' passou fome e dormiu na rua.
Para viver o sonho de ser modelo, 'Negzzia' passou fome e dormiu na rua.
Para viver o sonho de ser modelo, 'Negzzia' passou fome e dormiu na rua.
Para viver o sonho de ser modelo, 'Negzzia' passou fome e dormiu na rua.
Para viver o sonho de ser modelo, 'Negzzia' passou fome e dormiu na rua.

Num país como o Irão, onde a nudez da mulher não é assunto, "Negzzia" (nome fictício) teve de fugir da polícia depois de terem sido descobertas várias fotografias da mulher nua. Fugida em Istambul, na Turquia, "Negzzia" viu a possibilidade do seu sonho como modelo se concretizar em Paris, França, mas o futuro não lhe sorriu e acabou a viver como sem-abrigo.

A vida de "Negzzia" deu uma grande reviravolta no ano de 2017. Segundo o Le Parisien, "Negzzia" acusou um fotógrafo de violação e este decidiu expor a existência de fotografias da mulher nua.

"Negzzia" sabia que se ficasse no Irão iria acabar na prisão a ser castigada com chicotadas. A passagem por Istambul foi curta e a mulher viu-se obrigada a fugir novamente às autoridades. Foi em Paris, em outubro de 2018, que achou que seria feliz a ao realizar o sonho de ser modelo. 

Um amigo colocou-a em contacto com uma agência de modelos e prometeu-lhe um apartamento. Em troca, o homem pediu-lhe compensações de natureza sexual. "Negzzia" recusou e acabou sozinha nas ruas da capital francesa.

Mal alimentada, durante semanas dormiu em bancos, com outros sem-abrigo que lhe emprestavam mantas. Chegou a apelidar-se de "zombie". Passava dias em esplanadas aquecidas. Para comer vendeu um saco cheio de roupas por dez euros. 

A história de "Negzzia" espalhou-se pelo mundo e chegou mesmo ao ministro do Interior francês. O advogado irariano, Sahand Saber, ofereceu-se para representar a mulher que hoje vive em liberdade com conforto e afeto.

Ver comentários