Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Governo britânico congela taxa que financia a BBC e decide eliminá-la em 2027

Ministra britânica da Cultura, Nadine Dorries, diz que é altura de "debater novas formas de financiar, apoiar e vender os conteúdos britânicos".
Lusa 16 de Janeiro de 2022 às 15:37
Ministra britânica da Cultura, Nadine Dorries
Ministra britânica da Cultura, Nadine Dorries FOTO: Reuters
O Governo britânico vai congelar a taxa usada para financiar a estação pública de rádio e televisão da BBC, nos próximos dois anos, e eliminá-la completamente em 2027, para passar para um novo modelo.

A ministra britânica da Cultura, Nadine Dorries, cujo ministério é responsável pela BBC, afirmou, numa mensagem divulgada domingo de manhã na rede social Twitter, que seu anúncio é "o último" que será feito sobre a taxa anual paga por quem tem televisão ou vê a BBC através da internet e que serve para financiar a emissora.

"Acabaram-se os dias em que os idosos eram ameaçados com prisão e os inspetores batiam às portas [de casa]. Agora é altura de debater novas formas de financiar, apoiar e vender os grandes conteúdos britânicos", escreveu a ministra.

De acordo com o jornal Sunday Mail, o congelamento da taxa, que custa atualmente 159 libras (190 euros) por ano, e o seu desaparecimento paulatino nos próximos três anos obrigarão a estação estatal a poupar mais de 2.000 milhões de libras (2.400 milhões de euros) nesse período.

Quando o atual acordo com a BBC expirar, em 31 de dezembro de 2027, se os conservadores permanecerem no poder, a ideia é abolir a taxa para passar a ter um novo modelo de financiamento, mais próximo dos atuais serviços de assinatura de gigantes da televisão como as plataformas Netflix ou a Amazon Prime.

Este anúncio insere-se na ofensiva que o Governo de Boris Johnson prepara para recuperar a sua popularidade entre os britânicos, bastante prejudicada pela revelação de inúmeras festas realizadas em Downing Street (a residência oficial do primeiro-ministro), durante a pandemia e apesar das restrições sociais em vigor.

Governo de Boris Johnson economia negócios e finanças media política televisão
Ver comentários