Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Guaidó agradece apoio de Portugal à criação de governo nacional de emergência

Objetivo da proposta é proteger os venezuelanos e conseguir uma transição para a democracia.
Lusa 1 de Abril de 2020 às 18:22
Juan Guaidó
Juan Guaidó FOTO: Reuters
O líder opositor venezuelano Juan Guaidó agradeceu esta quarta-feira o apoio de Portugal à proposta da oposição venezuelana de criar um governo nacional de emergência para encontrar soluções imediatas à crise política, económica e social na Venezuela.

"Agradecemos o apoio de Portugal à nossa proposta de (criar) um governo nacional de emergência para proteger os venezuelanos e conseguir uma transição para a democracia ", escreveu na sua conta na rede social Twitter.

Segundo Juan Guaidó, para Portugal "o governo nacional de emergência e o Conselho de Estado são um passo decisivo para a Venezuela".

"O Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal (MNE), acolheu com satisfação a proposta de um governo nacional de emergência e do Conselho de Estado para a transição democrática para a Venezuela", explica noutra mensagem.

Na semana passada, Juan Guaidó propôs a criação de um governo de emergência para responder à crise humanitária no país que diz estar a agravar-se com a covid-19, que foi aprovada, terça-feira pela maioria parlamentar opositora.

No final de 2019, Juan Guaidó, anunciou a criação de um Conselho de Estado Plural, com representantes das várias fações políticas, incluindo o Governo liderado por Nicolás Maduro, destinado a organizar novas eleições presidenciais em 2020.

Os Estados Unidos apresentaram, terça-feira, um Plano de Transição Democrática para a Venezuela que prevê que o Presidente eleito, Nicolás Maduro, e o autoproclamado Presidente interino, Juan Guaidó, se afastem para permitir que um Conselho de Estado Plural prepare a realização de eleições presidenciais nos próximos meses, tendo como contrapartida o fim das sanções económicas internacionais contra o regime de Caracas.

Caracas já recusou a proposta dizendo que a Venezuela é "livre e soberana", que jamais aceitará a tutelagem de algum governo estrangeiro e acusou o Presidente dos EUA, Donald Trump, de tentar "obter vantagens geopolíticas em plena aterradora pandemia global", a covid-19.

"É precisamente a administração de Trump que se deve afastar, levantando as medidas coercitivas unilaterais [sanções] que até os seus legisladores reconhecem que impedem a Venezuela de adquirir equipamentos para enfrentar a covid-19", lê-se num comunicado divulgado em Caracas.

Segundo Caracas, "já é tempo de [os EUA] abandonarem a fracassada estratégia de uma mudança de governo pela força na Venezuela".

Também na terça-feira, o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal saudou a proposta dos EUA para a Venezuela, lembrando a sua urgência, perante a crise sanitária global, provocada pela pandemia de covid-19, que está a afetar gravemente a sociedade venezuelana.

"Neste momento, mais do que nunca, é necessário ultrapassarem-se as divergências políticas, face aos enormes desafios que enfrentam todos os venezuelanos", diz o ministério liderado por Augusto Santos Silva, em comunicado.

O ministério português considera que a solução apresentada por Washington "vai ao encontro da posição sempre sustentada pelo Governo português, de privilegiar uma solução política, inclusiva e pacífica para a situação na Venezuela".

A crise política, económica e social, venezuelana, agravou-se a partir de janeiro de 2019, quando o presidente do parlamento, o opositor Juan Guaidó, jurou publicamente assumir as funções de presidente interino da Venezuela, até conseguir afastar Nicolás Maduro do poder, convocar um governo de transição e eleições livres e democráticas no país.

Cerca de 60 países, incluindo Portugal (no âmbito da União Europeia), reconhecem a legitimidade do autointitulado Presidente interino, Juan Guaidó, e pedem novas eleições na sequência de uma crise política provocada pelas eleições presidenciais de 2018, em que Maduro saiu vencedor sob críticas de falta de transparência por parte da oposição.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)