Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Homem condenado por esconder da mulher relações homossexuais. Vai ter de pagar três mil euros

Relação entre ambos acabou em 2011, com um divórcio por mútuo acordo.
Correio da Manhã 20 de Outubro de 2020 às 14:36
Tribunal
Tribunal FOTO: Getty Images

Uma juíza espanhola decidiu a favor de uma mulher que processou o seu ex-marido por "ocultar deliberadamente" a sua homossexualidade durante a relação, que durou cinco anos, três deles de matrimónio. Agora, o homem vai ter de pagar uma compensação de 3 mil euros.

A relação entre ambos acabou em 2011, com um divórcio por mútuo acordo. Mas no ano passado, durante um jantar de amigos, a mulher não só ficou a saber que o seu ex-marido sempre tinha sido homossexual como tinha mantido relações com um conhecido "antes, durante e depois" da sua relação.

Apesar do acusado ter revelado a sua sexualidade à antiga mulher em 2016 e de lhe ter apresentado o seu companheiro atual, depois das revelações feitas em 2019, no jantar de amigos, a mulher resolveu avançar para uma acusação judicial, revela o jornal espanhol El País.

Agora, um ano depois, uma juíza do tribunal de primeira instância de Valência encontrou motivos suficientes para dar razão a esta mulher, ainda que representantes de associações LGBT tenham classificado esta decisão como um "julgamento moral".

A sentença declara a nulidade civil do matrimónio, que é algo distinto do divórcio, e uma compensação de 3 mil euros a pagar à queixosa. De acordo o referido jornal espanhol, a juíza declarou que "não foi provado nem que [a queixosa] sofreu de rejeição social nem que sofreu danos profissionais". Contudo, a juíza afirma que "partindo do princípio que o desengano social não é financeiramente ressarcível, a compensação deve ser reduzida ao valor de 1000 euros por cada um dos três anos de matrimónio".

A juíza revela ainda que o acusado não agiu "de má fé", apesar de ter havido uma "ocultação da relação e prática sexual antes do matrimónio à mulher que ia ser a sua esposa".

Javier Vilalta, advogado de Valência acusado, negou ter "tido relações homossexuais completas antes do casamento, apesar de algumas experiências na adolescência durante alguns anos de incerteza sexual".

tribunal Divórcio Javier Vilalta Valência Espanha
Ver comentários