Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

Inferno das chamas devora Austrália

Fogo corta caminho às populações em fuga, que se refugiam nas praias e outros locais à espera de ajuda.
Paulo João Santos 5 de Janeiro de 2020 às 09:46
Inferno das chamas devora Austrália
Inferno das chamas devora Austrália
Inferno das chamas devora Austrália
Inferno das chamas devora Austrália
Inferno das chamas devora Austrália
Inferno das chamas devora Austrália
Inferno das chamas devora Austrália
Inferno das chamas devora Austrália
Inferno das chamas devora Austrália
Inferno das chamas devora Austrália
Inferno das chamas devora Austrália
Inferno das chamas devora Austrália
Inferno das chamas devora Austrália
Inferno das chamas devora Austrália
Inferno das chamas devora Austrália
Os números são apocalípticos: cinco milhões de hectares devorados pelas chamas (mais de metade da área de Portugal Continental); 1400 habitações destruídas; centenas de milhares de pessoas deslocadas; mil coalas mortos (colocando a espécie em risco); milhões de outros animais com o mesmo destino. Há populações encurraladas, onde começa a faltar a água, a alimentação, a eletricidade, os combustíveis.

Há estradas e caminhos bloqueados, que impedem a fuga das zonas afetadas pelos incêndios. Há um inferno que avança imparável, medonho, descontrolado, que já causou 23 vítimas mortais, mas o número deverá crescer nos próximos dias, já que há registo de dezenas de desaparecidos.

Os incêndios na Austrália começaram em setembro, mas continuam sem fim à vista. Condições meteorológicas excecionais (temperaturas acima dos 45 graus, em alguns casos perto dos 50, ventos fortes e humidade do ar inferior a 30%) tornam impossível qualquer tentativa de conter o avanço das chamas.

A prioridade é resgatar quem está no caminho dos incêndios, mas a tarefa não é fácil. Mesmo com recurso aos militares de reserva, chamados pelo governo para ajudar nas operações de socorro, com a ajuda de meios aéreos, os bombeiros, exaustos, fazem o que podem, mas podem pouco, quando têm pela frente labaredas com 70 metros de altura.

Debaixo de fogo está, também, o governo de Camberra, acusado pelas populações afetadas de não estar à altura dos acontecimentos.
Austrália Portugal Continental acidentes e desastres incêndios
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)