Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Joe Biden: "A vida vai voltar ao normal"

Presidente eleito nos EUA pede aos americanos para ficarem em casa no Dia de Ação de Graças. Trump diz para se juntarem.
Ricardo Ramos 27 de Novembro de 2020 às 08:34
Joe Biden
Joe Biden FOTO: Reuters
As mensagens de Joe Biden e Donald Trump por ocasião do Dia de Ação de Graças, que ontem se celebrou nos EUA, mostraram mais uma vez as profundas diferenças entre ambos na forma de encarar a pandemia. Biden pediu aos americanos o sacrifício de ficarem em casa nesta época festiva, enquanto Trump convidou-os a juntarem-se para celebrar a data, contrariando todos os avisos dos cientistas e profissionais de saúde.

“Encorajo todos os americanos a juntarem-se, em casa e nos seus locais de oração, para dar graças a Deus pelas nossas inúmeras bênçãos”, diz Trump na sua mensagem oficial. Em contraste, o presidente-eleito Biden fez um veemente e sentido apelo aos americanos para seguirem o conselho das autoridades de saúde e ficarem em casa. “Sei que é difícil abdicar das tradições familiares, mas este ano é importante”, afirmou Biden, que lembrou “os lugares vazios à mesa” que muitas famílias vão ter este ano mas manifestou confiança no futuro.

“Existe uma verdadeira esperança. A vida vai voltar ao normal”, prometeu, apelando ao espírito de sacrifício dos americanos. “Sei que o país está cansado desta luta, mas temos de nos lembrar que estamos em guerra com o vírus, e não uns com os outros.” n *com agências

pormenores
Trump perdoa Flynn
Donald Trump assinou quarta-feira à noite um perdão presidencial para o seu antigo Conselheiro de Segurança Nacional Michael Flynn, que admitiu ter mentido ao FBI na investigação à alegada ingerência russa nas presidenciais de 2016. “Tenha uma grande vida, general Flynn”, escreveu Trump no Twitter. Especula-se que, antes de deixar o cargo, o presidente poderá indultar outros aliados e até perdoar-se a si próprio.

Punir Giuliani
O congressista democrata Bill Pascrell apelou à Associação Americana dos Advogados para retirar a licença de Rudolph Giuliani e outros membros da equipa legal de Trump por fazerem “alegações falsas” em tribunal sobre a suposta fraude.
Ver comentários