Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Lula da Silva libertado da prisão após decisão do Supremo

Supremo Tribunal aprovou alteração da regra que permitia detenções antes de esgotados os recursos.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 9 de Novembro de 2019 às 07:33
Lula foi recebido em festa por milhares de apoiantes encabeçados por líderes do PT e várias organizações de esquerda
Lula da Silva à saída da prisão
Lula da Silva à saída da prisão
Lula da Silva à saída da prisão
Lula da Silva à saída da prisão
Lula da Silva à saída da prisão
Lula da Silva
Lula foi recebido em festa por milhares de apoiantes encabeçados por líderes do PT e várias organizações de esquerda
Lula da Silva à saída da prisão
Lula da Silva à saída da prisão
Lula da Silva à saída da prisão
Lula da Silva à saída da prisão
Lula da Silva à saída da prisão
Lula da Silva
Lula foi recebido em festa por milhares de apoiantes encabeçados por líderes do PT e várias organizações de esquerda
Lula da Silva à saída da prisão
Lula da Silva à saída da prisão
Lula da Silva à saída da prisão
Lula da Silva à saída da prisão
Lula da Silva à saída da prisão
Lula da Silva
O ex-presidente brasileiro Lula da Silva, que estava preso desde abril de 2018 a cumprir pena por corrupção, deixou esta sexta-feira a cadeia, pouco depois das 18h35 (21h 35, em Lisboa). Assim que cruzou o portão da sede da Polícia Federal de Curitiba, no sul do Brasil, onde estava preso, Lula foi cercado por uma multidão de apoiantes.

Entre gritos de apoio e choro dos militantes e cercado por familiares e líderes do PT e outras entidades de esquerda, Lula foi agradecer aos apoiantes que durante o ano e meio em que esteve preso ficaram numa extenuante vigília frente ao prédio, trocando abraços e muita emoção com a multidão.

As regras de segurança foram esquecidas e o antigo presidente desapareceu por largos minutos no meio dos populares, não sendo captado nem pelas câmaras dos canais de televisão que faziam a cobertura do momento.

Depois, Lula subiu a um espaço mais visível para agradecer e fazer o primeiro discurso em liberdade. Afirmou que ninguém pode perceber o que sente por estar livre e ao lado dos militantes que durante mais de 580 dias gritavam todos os dias de manhã "Bom dia, Lula", e todas as noites "Boa noite, Lula", dando-lhe coragem para enfrentar a prisão.

Num tom mais político, Lula atacou o ex-juiz e hoje ministro da Justiça Sérgio Moro, que o condenou e mandou prender, e ainda o que chamou a "banda podre" da Polícia Federal e do Ministério Público.

A libertação acontece após decisão tomada na noite de quinta-feira pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Por 6 votos a favor e 5 contra, o STF considerou inconstitucional a regra que permitia a prisão de condenados após confirmação da sentença por um tribunal de segunda instância, como era o caso de Lula, e antes de esgotados todos os recursos judiciais.
Ver comentários